Formação de professores e educação na prisão: construindo saberes, cartografando perspectivas

  • Elenice Maria Cammarosano Onofre
  • Camila Cardoso Menott
Palavras-chave: Formação de professores, Docência entre as grades, Educação de Jovens e Adultos na prisão

Resumo

 O artigo que se apresenta tem a intenção de tecer algumas reflexões sobre formação de professores que atuam em espaços de privação de liberdade, considerando a complexidade da tarefa pedagógica e os saberes necessários para o exercício da docência entre as grades. Inserida em um espaço repressivo, a escola na prisão deve potencializar práticas emancipadoras de educação e o professor se constitui como ator fundamental nesse processo. Com base em referenciais teóricos que abordam as particularidades do contexto prisional e a formação de professores, as reflexões propostas sinalizam a necessária formação específica na modalidade da EJA e de formação continuada, com momentos reflexivos de compartilhamento de experiências com os pares, de ambientação para lidar com as contingências do espaço e de práticas educativas embasadas nas vivências dos educandos e que contribuam para a construção de projetos de vida.

Referências

BEISIEGEL, C. de R. A qualidade do ensino na escola pública. Brasília: Líber Livro, 2005.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Decreto n.º 7.626, de 2 de novembro de 2011.

BRASIL. Lei de execução penal n.º 7.210, de 11 de julho de 1984.

BRASIL. Parecer CNE/CEB n.º 11/2000: Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília: MEC, 2000.

BRASIL. Lei nº 12.433, de 29 de junho de 2011.

BRASIL. Resolução CNE/CEB n.º 2/2010: Diretrizes Nacionais para a oferta de educação de jovens e adultos em situação de privação de liberdade nos estabelecimentos penais. Brasília: MEC/CNE/SECAD, 2010.

CARREIRA, D.; CARNEIRO, S. Relatoria nacional para o direito humano à educação: educação nas prisões brasileiras. São Paulo: Plataforma DhESCA Brasil, 2009.

CARVALHO, O. F. de. Entre celas e salas de aula: um estudo sobre experiências educacionais de educadores presos no sistema prisional paulista. 2014. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2014.

DI GIORGI, C. A. G. Uma outra escola é possível! Uma análise radical da inserção social e da democracia na escola do mundo globalizado. Campinas: Mercado de Letras/Associação de Leitura do Brasil, 2004.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 49ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREIRE, P. Política e educação. São Paulo: Cortez, 1995.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. Tradução de Lígia M. Pondé Vassallo. Rio de Janeiro: Vozes, 1977.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. de S. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009.

GHEDIN, E. Professor reflexivo: da alienação da técnica à autonomia da crítica. In: PIMENTA, S. G; GHEDIN, E. (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002. p. 129-150.

GOFFMAN, E. Manicômios, prisões e conventos. Tradução de Dante Moreira Leite. 5ª edição. São Paulo: Perspectiva, 1996.

IBGE. Censo demográfico 2010. Disponível em:. Acesso em: 13 jan. 2014.

JULIÃO, E. F. A ressocialização através do estudo e do trabalho no sistema penitenciário brasileiro. 2009. Tese (Doutorado em Educação). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais. Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ, Rio de Janeiro, 2009.

LEITE, Y. U. F; DI GIORGI, C. A. G. Saberes docentes de um novo tipo na formação profissional do professor: alguns apontamentos. Revista Educação, Universidade Federal de Santa Maria, v. 29, n. 02, p. 135-145, 2004.

MENOTTI, C. C. O exercício da docência entre as grades: reflexões sobre a prática de educadores do sistema prisional do estado de São Paulo. 2013. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2013.

ONOFRE, E. M. C. Escola da prisão: espaço de construção da identidade do homem aprisionado? In: ONOFRE, E. M. C. (Org.). Educação escolar entre as grades. São Carlos: EdUFSCar, 2007. p. 11-28.

ONOFRE, E. M. C. Docência na prisão: professores duplamente iniciantes, aprendendo com os pares e com o contexto. In: Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docência, Buenos Aires. Anais… Buenos Aires: Ministerio de Educación de la Nación, 2010. p. 1-11.

PAIVA, V. P. Educação Popular e Educação de Adultos. 5ª edição. São Paulo: Loyola, 1987.

PENNA, M. G. de O. O ofício do professor: as ambiguidades do exercício da docência por monitores--presos. 2003. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2003.

PEREIRA, A. A educação-pedagogia no cárcere, no contexto da pedagogia social: definições conceituais e epistemológicas. Revista de Educação Popular, Uberlândia, v. 10, p. 38-55, 2011.

PEREIRA, C. M. Educação de jovens e adultos: uma contribuição à discussão da proposta pedagógica de rede estadual de ensino. Rio Negro, 2014. p. 1-16. Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/ portals/pde/arquivos/983-4.pdf> Acesso em: 10 maio 2016.

PIMENTA, S. G. Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: PIMENTA, S. G. (Org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 1999. p. 15-34.

PORTUGUÊS, Manoel Rodrigues. Educação de adultos presos: possibilidades e contradições da inserção da educação escolar nos programas de reabilitação do sistema penal do estado de São Paulo. 2001. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

RIOS, T. A. Ética e competência. 13ª edição. São Paulo: Cortez, 2003.

SYKES, G. M. The society of captives: a study of a maximum security prison. Princeton: Princeton University Press, 1958.

UNESCO. Conferência internacional sobre a educação de adulto. Declaração de Hamburgo: agenda para o futuro. Brasília: SESI/UNESCO, 1997.

UNESCO. Declaração universal dos direitos humanos. Resolução 217 A (III) de 10 dez. 1948. Disponível em: . Acesso em: 13 jan. 2014.

VIEIRA, E. de L. G. Trabalho docente: de portas abertas para o cotidiano de uma escola prisional. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 2008.

Publicado
2016-12-31
Seção
Artigos