A crise não reconhecida: identidade docente de professores do Ensino Fundamental 2

  • Selma Oliveira Alfonsi
  • Vera Maria Nigro de Souza Placco
Palavras-chave: Identidade docente, identidade profissional, crise de identidade

Resumo

Este artigo se trata de um relato de pesquisa de mestrado que teve como objetivo investigar como as exigências que os professores percebem que lhes são feitas, pelas famílias e pela escola, afetam a sua identidade profissional. A pesquisa foi realizada com 26 professores de uma escola particular de ensino fundamental 2, em São Paulo. O instrumento utilizado foi o questionário, que visava identificar o processo de negociação identitária dos sujeitos. A pesquisa foi realizada segundo as concepções sociológicas de Dubar (2005 e 2009) sobre identidade profissional. Os resultados apontaram que os sujeitos encontram-se confusos quanto a sua função como professor, em decorrência das múltiplas atribuições que acreditam lhes serem postas. Além disso, foi possível identificar que estão vivenciando um momento de crise de identidade, apesar de não se narrarem literalmente nela. A crise é vista, neste estudo, como uma ruptura com aquilo que os sujeitos acreditavam ser o seu papel.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

DUBAR, C. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. Tradução de Andréa Stahel M. da Silva. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

DUBAR, C. A crise das identidades: a interpretação de uma mutação. Tradução de Mary Amazonas Leite de Barros. São Paulo: Edusp, 2009.

LIBÂNEO, J. C. A escola com que sonhamos é aquela que assegura a todos a formação cultural e científica para a vida pessoal, profissional e cidadã. In: COSTA, M. V. (Org.) A escola tem futuro? Rio de Janeiro: Lamparina, 2007. p. 23-50.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986. (Temas Básicos de Educação e Ensino).

MARCELO, C. Identidade docente: constantes de desafios. Formação Docente, Belo Horizonte, v. 1, p. 109-131, ago./dez. 2009a.

MARCELO, C. Desenvolvimento Profissional Docente: passado e futuro. Sísifo. Revista de Ciência da Educação, n. 8, p. 7-22, jan./abr. 2009b.

NÓVOA, A. Os professores e suas histórias de vida. In: NÓVOA, A. (Org.). Vida de Professores. 2. ed. Porto: Porto, 2000. p. 11-30.

PERRENOUD, P. Ensinar: agir na urgência, decidir na incerteza. Porto Alegre: Artmed, 2001.

PLACCO, V. M. N. S.; SOUZA, V. L. T. Identidade de professores: considerações críticas sobre perspec-tivas e suas possibilidades na pesquisa. In: CORDEIRO, A. F. M., HOBOLD, M. de S., AGUIAR, M. A. L. de. Trabalho docente: formação, práticas e pesquisas. Joinville: UNIVILLE, 2010. p. 79-99.

PLACCO, V. M. N. de S.; SOUZA, V. L. T. de. Aprendizagem do adulto professor. São Paulo: Loyola, 2006.

ROLDÃO, M. do C. Função docente: natureza e construção do conhecimento profissional. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 12, n. 34, p. 94-103, jan./abr. 2007.

ROLDÃO, M. do C. Que é ser professor hoje? A profissionalidade docente revisitada. Revista da ESES, Santarém, v. 9, p. 79-87, 1998. (Nova Série).

SACRISTÁN, J. G. Consciência e acção sobre a prática como libertação profissional dos professores. In: NÓVOA, A. (Org.). Profissão Professor. Porto: Porto, 1991. p. 61-124.

SHULMAN, L. Those Who Understand: Knowledge Growth in Teaching. Educational Researcher, v. 15, n. 2, p. 4-14, fev.1986.

Publicado
2013-06-30
Como Citar
ALFONSI, S. O.; PLACCO, V. M. N. DE S. A crise não reconhecida: identidade docente de professores do Ensino Fundamental 2. Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, v. 5, n. 8, p. 62-79, 30 jun. 2013.
Seção
Artigos