Os movimentos reflexivos presentes nas pesquisas do núcleo UFMS no projeto em rede observatório da educação

Autores

  • Patrícia Sândalo Pereira

DOI:

https://doi.org/10.31639/rbpfp.v9i16.164
Abstract views: 302 / PDF downloads: 318

Palavras-chave:

Formação Continuada, Observatório da Educação, Pesquisa Colaborativa

Resumo

Este artigo traz alguns resultados das primeiras pesquisas desenvolvidas no Núcleo UFMS vinculadas ao projeto de pesquisa em rede, aprovado no Edital 049/2012, do Programa Observatório da Educação da Capes, intitulado “Trabalho colaborativo com professores que ensinam Matemática na Educação Básica em escolas públicas das regiões Nordeste e Centro-Oeste”. As pesquisas utilizaram, como referenciais teóricos e meto-dológicos, os pressupostos da pesquisa colaborativa, fundamentados em Desgagné (2007) e Ibiapina (2008). A pesquisa colaborativa diferencia-se de outras metodologias pelo seu caráter participativo, colaborativo e reflexivo, ou seja, tem uma dupla identidade: a pesquisa e a formação. Os resultados apontados nas pesqui-sas evidenciaram que a ação conjunta entre pesquisadores e professores da Educação Básica possibilitou movimentos participativos, colaborativos e reflexivos, possibilitando aos professores explorar e questionar os seus próprios saberes e práticas, além de propiciar o enfrentamento e a superação das necessidades apresentadas no desenvolvimento de suas práticas docentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.
 PlumX Metrics

Referências

ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. São Paulo: Cortez, 2003.

BOAVIDA, A. M.; PONTE, J. P. Investigação Colaborativa: Potencialidades e Problemas. In GTI (Org). Reflectir e investigar sobre a prática profissional. Lisboa: APM, 2002, p. 43 – 55.

DESGAGNÉ, S. O conceito de pesquisa colaborativa: a ideia de uma aproximação entre pesquisadores uni-versitários e professores práticos. Revista Educação em Questão. Natal, v. 29, n. 15, mai/ago 2007, p. 7 – 32.

FERREIRA, A. C. Metacognição e desenvolvimento profissional de professores de matemática: uma ex-periência de trabalho colaborativo. Tese (Doutorado em Educação: Educação Matemática), FE-UNICAMP. Campinas/SP, 2003.

FIORENTINI, D. Pesquisar Práticas Colaborativas ou Pesquisar Colaborativamente? In: BORBA, M. C.; ARAÚJO, J. L. (Orgs.). Pesquisa Qualitativa em Educação Matemática. 5 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2013a, p. 53-85.

_______________ . Aprendizagem profissional e participação em comunidades investigativas. Anais do XI ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA. Curitiba, Paraná. 2013b.

_______________. Quando Acadêmicos da Universidade e Professores da Escola Básica Constituem uma Comunidade de Prática Reflexiva e Investigativa. In: FIORENTINI, D.; GRANDO, R. C.; MISKULIN, R. G. S. Práticas de Formação e Pesquisas de Professores que Ensinam Matemática. Campinas: Mercado das Letras, 2009, p. 223-256.

_______________. A pesquisa e as práticas de formação de professores de matemática em face das políticas públicas no Brasil. Bolema. (UNESP. Rio Claro. Impresso), v. 21, 2008, p. 43-70.

GATTI, B. A. Formação Continuada de professores: a questão Psicossocial. Cadernos de Pesquisa, n. 119, julho 2003, p. 191-204.

IBIAPINA, I. M. L. M. Pesquisa colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimentos. Brasília DF: Líber Livro Editora, 2008.

JORGE, N. M. Reflexões sobre a prática docente de um professor de matemática a partir da pesquisa cola-borativa. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática). UFMS, 2015. 179p.

LIBERALI. F. C. O diário com ferramenta para a reflexão crítica. 166 f. Tese (Doutorado) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. 1999.

MAGALHÃES, M. C. C.; OLIVEIRA, W. A colaboração crítica como uma categoria de análise da atividade do-cente. In: MAGALHÃES, M. C. C.; FIDALGO, S. S. (Orgs.) Questões de método e de linguagem na formação docente. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011.

NÓVOA, A. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, António (org.). Os professores e a sua formação. 2. ed. Lisboa: Dom Quixote, 1995, p. 13-33.

PARDIM, J. F. S. Reflexões e interações de um professor da educação básica em um projeto colaborativo.

Dissertação (Mestrado em Educação Matemática). UFMS, 2015. 77p.

PONTE, J. P. Perspectivas de desenvolvimento profissional de professores de Matemática. In J. P. Ponte, C. Monteiro, M. Maia, L. Serrazina, & C. Loureiro (Eds.), Desenvolvimento profissional de professores de Matemática: Que formação? Lisboa: SPCE, 1995, p. 193 – 211.

SOUSA, M. C. Parcerias Compartilhadas entre Universidades e Escolas na Formação de Professores. Anais do XI Encontro Nacional de Educação Matemática. Curitiba, Paraná. 2013.

ZEICHNER, K. Repensando as conexões entre a formação na universidade e as experiências de campo na formação de professores em faculdades e universidade. Educação, v. 35, n. 3, maio/ago, 2010, p. 479-504.

_____________. Uma análise crítica sobre a “reflexão” como conceito estruturante na formação docente. Educ. Soc., Campinas, vol. 29, n. 103, maio/ago. 2008, p. 535-554.

_____________. A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa, 1993.

Downloads

Publicado

2017-06-30

Como Citar

PEREIRA, P. S. Os movimentos reflexivos presentes nas pesquisas do núcleo UFMS no projeto em rede observatório da educação. Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, [S. l.], v. 9, n. 16, p. 95–108, 2017. DOI: 10.31639/rbpfp.v9i16.164. Disponível em: https://revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/164. Acesso em: 17 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos