Lei 10.639/2003: caminhos para desconstrução do racismo epistêmico/religioso no ambiente escolar

  • Gustavo Jaime Filizola UFPE
  • Denise Maria Botelho UFRPE
Palavras-chave: Lei nº. 10.639/2003; racismo epistêmico/religioso, ensino religioso; interdisciplinaridade.

Resumo

Neste artigo discutiremos a importância da Lei nº.10.639/2003 como um meio de desconstrução do racismo epistêmico/religioso, resistência para conhecimento e aplicabilidade no espaço escolar, e a importância do trabalho interdisciplinar como pontes para implantação e implementação da mesma. Faremos uma breve retrospectiva da implantação e implementação da Lei nº. 10.639/2003. Mostraremos alguns percalços para abordar saberes afrocentristas no ambiente escolar. Também refletiremos a questão do ensino religioso, assim como, a importância do trabalho interdisciplinar como meio de aplicabilidade da Lei nº. 10.639/2003.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARROYO, Miguel. Políticas educacionais e desigualdades: à procura de novos significados. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1381-1416, out./dez.2010.

________________. O direito á educação e a nova segregação social e racial – tempos insatisfatórios. Educação em Revista & Sociedade, Belo Horizonte, v. 31, n. 83, p. 15-47, jul./set,.2015.
BASTOS, Morgana A. et al. Ensino de Química e a Ciência de Matriz Africana: uma discussão sobre as propriedades dos metais. XVII Encontro Nacional de Ensino de Química, Ouro Preto, 20 Ambiental: UNESCO, 2007.
BOTELHO, Denise Maria. Religiosidade afro-brasileira e o meio ambiente. In: Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em educação ambiental na escola [Coordenação: Soraia Silva de Mello, Rachel Trajber]. – Brasília: Ministério da Educação, Coordenação Geral de Educação Ambiental: Ministério do Meio Ambiente, Departamento de Educação Ambiental: UNESCO, 2007.
_____________________; NASCIMENTO, W. F. do. Educação e religiosidades afro-brasileiras: a experiência dos candomblés. Participação, Brasília, n. 17, jan. 2012.
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base nacional comum curricular. Brasília, DF, 2017.
CUNHA JUNIOR, Henrique. Candomblé: como abordar esta cultura na escola. Revista Espaço Acadêmico, n.102, ano IX, p. 97-103, nov. 2009.
FAZENDA, Ivani, Catarina Arantes. (Org.). Didática e Interdisciplinaridade. 13ª. ed. Campinas, SP: Papirus, 2008.
FELINTO, Renata. (Org.). Culturas africanas e afro-brasileiras em sala de aula- saberes para os professores- fazeres para os alunos. Belo Horizonte: Fino Traço Editora, 2012.
GARCIA-FILICE, Renísia Cristina. Raça e classe na gestão da educação básica brasileira. 2010. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de Brasília, Brasília, 2010
GOMES, Nilma. L. Relações étnico-raciais, educação e descolonização dos currículos. Currículo sem Fronteiras, v. 12, p. 98-109, 2012
GROSFOGUEL, Ramon. Dilemas dos estudos étnicos norte-americanos: multiculturalismo identitário, colonização disciplinar e epistemologias descoloniais. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 59, n. 2, abr./jun. 2007, pp. 32-35.
________________. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Periferia, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 41-91, jul./dez. 2009.

MACEDO, Aldenora. Negar, silenciar, apaga: a gestão escolar frente à educação antirracista. Revista da ABPN • v. 9, n. 22, , p.385-408, mar/jun 2017.

MARTINS, Felipe Rodrigues. EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CANDOMBLÉ: AFRO-RELIGIOSIDADE COMO CONSCIÊNCIA AMBIENTAL" Environmental Education and Candomble: african religiosity as environmental awareness"." PARALELLUS Revista de Estudos de Religião-UNICAP 6.12 (2015): 265-278.

OLIVEIRA, Luiz F. Histórias da África e dos Africanos na Escola: as perspectivas para a formação dos professores de história quando a diferença se torna obrigatoriedade curricular. 2010. 237f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, 2010.

OYEWUMI, Oyeronke. The invention of women: making an African sense of Western gender discourses. Minneapolis, MN: University of Minnesota Press, 1997.

QUIJANO. Anibal. Colonialidad y Modernidad/Racionalidad. Peru Indígena, Lima, v. 13, n.29, p.11-20, 1992.

_______________. Colonialidade do poder e Classificação Social. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. Epistemologias do Sul. Coimbra: Edições Almedina SA, 2009, p. 119-131.

ROCHA, Rosa Margarida de Carvalho. Educação das Relações Étnico-Raciais-pensando referenciais para a organização da prática pedagógica. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2007.

SAVIANE, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. 4. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SANTANA, Jair. A lei nº 10.639/03 e o ensino de artes nas séries iniciais: políticas afirmativas e folclorização racista. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Paraná, 2010.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SANTOS, Boaventura de Sousa e MENEZES, Maria Paula (Org.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Ed. Almedina, 2009.

__________________________. Seis Razões parar pensar. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, São Paulo, n. 54, p. 13-26, 2001. Disponível em: . Acesso em: 12 maio. 2017.

SILVA, Nelson Fernando Inocêncio da. Africanidade e religiosidade: uma possibilidade de abordagem sobre as sagradas matrizes africanas na escola. In. Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Brasília: Ministério da Educação, 2005.

SILVA, Vagner Gonçalves da (Org.). Intolerância Religiosa: impactos do neopentecostalismo no campo religioso afro-brasileiro. 1.ed. São Paulo: Editora da Universidade de SÃO Paulo, 2015.

SILVA, José Antonio Novaes da. Conquista de direitos, ensino de ciências/biologia e a prática da sangria entre os/as Remetu-Kemi e povos da região congo/angola: uma proposta de articulação para a sala de aula. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S.l.], v. 9, n. 22, p. 149-175, jun. 2017. ISSN 2177-2770.

VERRANGIA, Douglas. Conhecimentos tradicionais de matriz africana e afro-brasileira no ensino de Ciências: um grande desafio. Revista África e Africanidades, v. 8, 2010, p. 14.

VERRANGIA, Douglas; SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. Cidadania, relações étnicoraciais e Educação: desafios e potencialidades do ensino de Ciências. Educação e Pesquisa (USP. Impresso), v. 36. São Paulo: 2010, p. 705-718.
Publicado
02-12-2019
Como Citar
FILIZOLA, G. J.; BOTELHO, D. M. Lei 10.639/2003: caminhos para desconstrução do racismo epistêmico/religioso no ambiente escolar. Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, v. 11, n. 22, p. 59-78, 2 dez. 2019.