Percepções de uma professora iniciante acerca das contribuições da pesquisa em sua formação inicial para o ensino de matemática

  • Fernando Schlindwein Santino Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", UNESP, Presidente Prudente-SP.
  • Klinger Teodoro Ciríaco Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, São Carlos-SP.
  • Ana Carolina Faustino Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, Câmpus Naviraí.
Palavras-chave: Formação Inicial de Professores. TCC em Educação Matemática. Início da Docência.

Resumo

Compreender em que medida a pesquisa de trabalho de conclusão de curso, desenvolvida na licenciatura em Pedagogia, contribuiu para a prática pedagógica de uma professora que ensina Matemática em seus primeiros anos de carreira é o objetivo deste artigo. A investigação classifica-se como qualitativa, com análise interpretativa. A produção de dados deu-se a partir de uma entrevista semiestruturada com uma docente que atuava em uma instituição pública de ensino no interior do Estado de Mato Grosso do Sul. Os resultados evidenciaram que o TCC em Educação Matemática, mobilizou elementos relacionados a construção do início da carreira, tais como: a) mudança de atitude em relação ao conhecimento matemático; b) desenvolvimento de autonomia profissional, perante o papel da pesquisa na formação inicial, incentivando para a formação continuada; c) superação do "choque com o real" no início da docência e; d) a mudança de atitudes, dado que possibilitou uma abordagem da Matemática de forma lúdica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Schlindwein Santino, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", UNESP, Presidente Prudente-SP.

Mestrando em Educação pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Faculdade de Ciências e Tecnologia - FCT/UNESP, Presidente Prudente-SP; Licenciado em Pedagogia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, Câmpus Naviraí. 

Klinger Teodoro Ciríaco, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, São Carlos-SP.

Professor Adjunto do Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas - DTPP - do Centro de Educação e Ciências Humanas - CECH - da Universidade Federal de São Carlos - UFSCar. Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, Campo Grande-MS. Líder do "MANCALA - Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática, Cultura e Formação Docente" (CNPq/UFSCar).

Ana Carolina Faustino , Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, Câmpus Naviraí.

Doutora em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista, UNESP, Rio Claro, SP. Professora Adjunta da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, UFMS, Câmpus Naviraí.

Referências

ALRØ, H; SKOVSMOSE, O. Diálogo e aprendizagem em Educação Matemática. Trad. Orlando de A. Figueiredo. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.
BORBA, A. M. Identidade em construção: investigando professores na prática da avaliação escolar. São Paulo: EDUC; Santa Catarina: Univali, 2001.
BORBA, M. C. A ideologia da certeza em Educação Matemática. In: Ole Skovsmose. (Org.). Educação Matemática Crítica: a questão da Democracia. 1ed.Campinas: Papirus, 2001, v. 1, p. 127-148.
BRASIL, Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília. 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/#infantil/os-objetivos-de-aprendizagem-e-desenvolvimento-para-a-educacao-infantil. Acesso em: 12, mai. 2019.
_______, MEC/SEF. Ministério da Educação e do Desporto – Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática / Secretaria da Educação Fundamental. Brasília: D.F., 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/matematica.pdf. Acesso em: 05, mai. 2019.
CIRÍACO, K. T. Professoras iniciantes e o aprender a ensinar matemática em um grupo colaborativo. 2016. 334f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – FCT/UNESP, Presidente Prudente. 2016.
CIRÍACO, K. T.; ZENERATI, F. R. Professoras da Educação Infantil e os princípios do cuidar/educar na prática docente. Revista Formação Docente. v. 7, n. 2 (2015). Disponível em: http://www3.izabelahendrix.edu.br/ojs/index.php/fdc/article/view/791/703. Acesso em: 10, mai. 2019.
CURI, E. Formação de professores polivalentes: uma análise de conhecimentos para ensinar Matemática e de crenças e atitudes que interferem na constituição desses conhecimentos. 2004. 278f. Tese (Doutorado em Educação Matemática). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. PUC/SP. 2004.
CURI, E. PIRES. C.M.C. Pesquisas sobre a formação de professor que ensina matemática por grupos de pesquisa de instituições paulistanas. Educação Matemática Pesquisa. São Paulo, v. 10, n. 1, pp. 151-189, 2008. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/emp/article/view/1655/1065. Acesso em: 30, marc. 2020.
DUBAR, C. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. Tradução de Anette Pierrette R. Botelho e Estela Pinto R. Lamas. Portugal: Porto Editora, 1997.
FAUSTINO, A. C. "Como você chegou a esse resultado?": o diálogo nas aulas de Matemática dos anos iniciais do Ensino Fundamental. 2018. 232f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) Instituto de Geociências e Ciências Exatas Câmpus de Rio Claro, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. 2018.
GAMA, R. P. Professores iniciantes e o desenvolvimento profissional: um olhar sobre as pesquisas acadêmicas brasileiras. In: FIORENTINI, D.; GRANDO, R. C.; MISKULIN, R. G. S. (Orgs.). Práticas de Formação e de Pesquisa de Professores que Ensinam Matemática. Campinas – SP: Mercado de Letras, 2009. p.101-124.
HUBERMAN, M. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, A. (coord). Vidas de professores. Porto – Portugal: Porto editora, 1995. p. 31-61.
KISHIMOTO, T. M. O jogo e a educação infantil. PERSPECTIVA. Florianópolis, UFSC/CED, NUP, n. 22, p. 105-128. 1994 Disponível em: https://www.inesul.edu.br/professor/arquivos_alunos/doc_1311627204.pdf. Acesso em: 15 abr. 2019.
LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: E.P.U, 1986.
MANZINI, E.J. Entrevista semi-estruturada: análise de objetivos e de roteiro. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE PESQUISA E ESTUDOS QUALITATIVOS, 2, 2004, Bauru. A pesquisa qualitativa em debate. Anais...Bauru: USC, 2004. CD – ROOM. ISBN:85-98623-01-6. 10p.
MARCELO GARCÍA, C. Formação de professores: para uma mudança educativa. Tradução de Isabel Narciso. Porto, PT: Porto, 1999.
NACARATO, A. M.; PASSOS, C. L. B. A geometria nas séries iniciais: uma análise sob a perspectiva da prática pedagógica e da formação de professores. São Carlos: EdUSFCar. 2003.
NEVES, C. S. de V. Possíveis contribuições do estágio curricular supervisionado para a construção da identidade profissional de professor. 2011. 115f. Dissertação (Mestrado em Educação) Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de Pelotas. Pelotas. 2011.
NÓVOA, A. Os professores e as histórias da sua vida. In: NÓVOA, A. (Org). Vidas de professores. Porto Ed., 2007, p.11-30.
OSTETTO, L. E; KOLB-BERNARDES. R. Modos de falar de si: a dimensão estética nas narrativas autobiográficas. Pro-Posições. V. 26, n.1 (76) P.161 – 178. Jan./abr. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pp/v26n1/0103-7307-pp-26-01-0161.pdf. Acesso em: 12, ago. 2018.
PASSOS, C. L. B; NACARATO, A. M. Trajetória e perspectivas para o ensino de Matemática nos anos iniciais. Estud. av. [online]. 2018, vol.32, n.94, pp.119-135. ISSN 0103-4014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v32n94/0103-4014-ea-32-94-00119.pdf. Acesso em: 01, mar. 2019.
PEREIRA, C. C. M. O início de carreira de duas professoras dos anos iniciais do ensino fundamental e o ensino da matemática. Revista Paranaense de Educação Matemática. Campo Mourão, PR, v.4, n.6, p.177-198, jan.-jun. 2015. Disponível em: http://www.fecilcam.br/rpem/documentos/v4n6/artigo_09.pdf. Acesso em: 03, nov. 2019.
ROCHA, G. A. Por uma política institucional comprometida com o início da carreira docente enquanto um projeto coletivo. In: 29ª Reunião Anual da ANPED. Caxambu/MG, 2006. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/gt08-2611-int.pdf. Acesso em: 03, mar. 2020.
SANDER, G. P. Pró-Letramento: um estudo sobre a resolução de problemas e as atitudes em relação à Matemática apresentadas por professores do primeiro ciclo do Ensino Fundamental. 2014. 214f. Dissertação (Mestrado em Educação para Ciência), Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – FC/UNESP, Bauru-SP. 2014.
SILVA, E. T. O ato de ler: fundamentos psicológicos para uma nova pedagogia da leitura. São Paulo, Cortez: Autores Associados. 1981.
SKOVSMOSE, O. Um convite à Educação Matemática crítica. Tradução de Orlando de Andrade Figueiredo. – Campinas, SP: Papirus, 2014.
SMOLE, K. C. S. A Matemática na Educação Infantil: a teoria das inteligências múltiplas na prática escolar. Porto Alegre, Editora Artes Médicas: 1996.
TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.
VEENMAN, S. Problemas percebidos de professores iniciantes. Review of educational Research, v. 54, n.2. 1984, p. 39-68.
ZORTÊA, G. A. P. Conhecimentos "de" e "sobre" Geometria de duas professoras iniciantes no contexto de um grupo colaborativo. 2018. 152f. Dissertação (Mestrado em Ensino e Processos Formativos), Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, FEIS/UNESP. 2018.
Publicado
15-04-2021
Como Citar
SCHLINDWEIN SANTINO, F.; TEODORO CIRÍACO, K.; CAROLINA FAUSTINO , A. Percepções de uma professora iniciante acerca das contribuições da pesquisa em sua formação inicial para o ensino de matemática. Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, v. 13, n. 26, p. 45-66, 15 abr. 2021.