Caminhos e descaminhos na formação docente para o trabalho com os estudantes com altas habilidades/superdotação

  • Carina Alexandra Rondini Universidade Estadual Paulista (UNESP), Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas (IBILCE)
Palavras-chave: Formação Docente. Aluno Superdotado. Estratégias Pedagógicas.

Resumo

Refletir-se-á a formação docente para o trabalho com estudantes com altas habilidades/superdotação (AH/SD), dialogando os resultados de dois levantamentos de campo. O primeiro investigou o ideário sobre as AH/SD de graduandos de licenciaturas, pedagogia e psicologia que frequentaram um curso de difusão de conhecimento sobre o tema. O segundo, a concepção que professores, das séries iniciais do ensino fundamental, têm sobre a dinamização da sala de aula e instrumentos, materiais e recursos que as escolas, nas quais trabalham, possuem para tal ação. Para os graduandos, foi aplicado um questionário com questões fechadas e, para os professores, um outro questionário com questões abertas. Se, por um lado, os profissionais ainda em formação não se deparam com o assunto antes de sua prática e apresentam conceitos advindos do senso comum, os docentes já formados e em exercício tão pouco dão conta de executar práticas pedagógicas que beneficiem os estudantes com AH/SD.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANJOS, A. G. dos. Formação Continuada de Professores em Altas Habilidades/Superdotação: Uma dissonância entre contextos. 2018. 178 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem). Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru.

ANTIPOFF, C. A.; CAMPOS, R. H. de F. Superdotação e seus mitos. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, SP, v. 14, n. 2, p. 301-309, jul./dez., 2010.

ANTUNES, C. Jogos para a estimulação das múltiplas inteligências. 20. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

ARMSTRONG, T. As melhores escolas: a prática educacional orientada pelo desenvolvimento humano. Porto Alegre: Artmed, 2008.

BOUBETA, A. R. La formación para el trabajo: nuevos escenarios, nuevos requerimentos de nuevas competências y cualificaciones. In: Monclús. A. (Coord.). Formación y empleo: enseñanza y competências. Granada: Comares, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB nº. 02, de 11 de setembro de 2001. Brasília, MEC, 2001.

BRASIL. Resolução nº 4, de 02 de outubro de 2009. Brasília: MEC, 2009.

CARVALHO, R. E. O cérebro vai para a escola e o coração vai junto: relato de experiências. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2014. 164p.

CASTRO, G. U. D. de. A escola do século XXI. REI-Revista de Educação do Ideal, Alto Uruguai, v.4. n.9, p.2-18, jul/dez. 2009.

CHAGAS-FERREIRA, J. F. Lances inocentes: histórias interconectadas. In: RONDINI, C. A. (Org.). Domínios de capacidade humana pela ótica do cinema. Curitiba: Juruá, 2016. p. 73-92.

CUPERTINO, C. M. B. (Org.). Um olhar para as altas habilidades: construindo caminhos. São Paulo: FDE, 2008. 87 p.

FLEITH, D. de S.; ALENCAR, E. M. L. S. de. Desenvolvimento de Talentos e Altas Habilidades: orientação a pais e professores. Porto Alegre: Artmed, 2007. 178 p.

FLEITH, D. de S. Mitos e fatos sobre os superdotados. In: FÁVERO, O.; FERREIRA, W.; IRELAND, T.; BARREIROS, D. (Org.). Tornar a educação inclusiva. 1. ed. Brasília: UNESCO AnPEd, 2009, v. 1, p. 199-212.

FREITAS, S. N.; ROMANOWSKI, C. L.; COSTA, L. C. da. Alunos com altas habilidades/superdotação no contexto da educação especial. In: MOREIRA, L. C.; STOLTZ, T. (coord.). Altas habilidades/superdotação, talento, dotação e educação. Curitiba: Juruá, 2012. p. 237-250.

GALINDO, C. J.; INFORSATO, E. C. Formação continuada de professores: impasses, contextos e perspectivas. Revista On Line de Política e Gestão Educacional, v. 20, n. 03, p. 463-477, 2016.

GUENTHER, Z. C. Capacidade e Talento: um programa para a escola. São Paulo: EPU, 2006.

GUENTHER, Z. C. Caminhos para desenvolver potencial e talento. Lavras: UFLA, 2011. 220 p.

GUENTHER, Z. C. Crianças dotadas e talentosas... não as deixem esperar mais! Rio de Janeiro: LTC, 2012.

GUENTHER, Z. C.; RONDINI, C. A. Capacidade, dotação, talento, habilidades: uma sondagem da conceituação pelo ideário dos educadores. Educ. rev., Belo Horizonte, v. 28, n. 1, p. 237-266, mar. 2012 .

GUIMARÃES, T. G. Avaliação psicológica de alunos com altas habilidades. In: FLEITH, D. S.; ALENCA, E. M. L. S. (Org.). Desenvolvimento de talentos e altas habilidades: orientação a pais e professores. Porto Alegre: Artmed, 2007. p. 79-85

KINNEY, L.; WHARTON, P. Tornando visível a aprendizagem das crianças: educação infantil em Reggio Emilia. Porto Alegre: Artmed, 2009.

MAIA-PINTO, R. R.; FLEITH, D. de S. Percepção de professores sobre alunos superdotados. Estud. psicol. (Campinas) [online]. v.19, n.1, p.78-90, 2002.

MARLAND, S. P. Jr. Education of the Gifted and Talented. Volume 1: Report to the Congress of the United States by the U. S. Commissioner of Education. Washington, D.C.: Office of Education (DHEW), 1971.

MELO, A. S.; ALMEIDA, L. da S. A identificação precoce da sobredotação: Alguns problemas e propostas. Sobredotação, Braga, v. 8, p. 23-42, 2007.

NAVAS, M. del C. O. Desenvolvimento de competências e certificação. In: ZAYAS, E. L. B. (Org.) O paradigma da educação continuada. Porto Alegre: Penso, 2012. p. 87-113.
PÉREZ, S. G. P. B. Mitos e Crenças sobre as Pessoas com Altas Habilidades: alguns aspectos que dificultam o seu atendimento. Cadernos de Educação Especial, v. 2, n. 22, p. 45-59, 2003.

PINTO, P. S. C. N.; FANTACINI, R. A. F. Ensino colaborativo na escola: um caminho possível para a inclusão. Research, Society and Development, v. 7, n. 3, p. 01-15, 2018.

RENZULLI, J. The Schoolwide Enrichment Model: A Comprehensive Plan for the Development of Talents and Giftedness. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 27, n. 50, p. 539-562, 2014.

SABATELLA, M. L.; CUPERTINO, C. M. B. Práticas educacionais de atendimento ao aluno com altas habilidades/superdotação. In: FLEITH, D. S. (org.). A construção de práticas educacionais para alunos com altas habilidades/superdotação: volume 1: orientação a professores. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2007. p. 67-80.

SANTOS, A. L. M. dos; RONDINI, C. A.; SILVA, A. G. A. da. Mãos de uma mente inteligente. In: RONDINI, C. A. (Org.). Domínios de capacidade humana pela ótica do cinema. Curitiba: Juruá, 2016. p. 73-92.

SILVA, A. A. da; RONDINI, C. A. Bullying e a superdotação na escola. Curitiba: Juruá, 2019. 74 p.

TARDIF, M.; LESSARD, C.; GAUTHIER, C. Formação dos professores e contextos sociais. Porto: Rés, 2001.

VIRGOLIM, A. M. R. Altas habilidades/superdotação: encorajando potenciais. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2007. 70 p.
Publicado
02-12-2019
Como Citar
RONDINI, C. A. Caminhos e descaminhos na formação docente para o trabalho com os estudantes com altas habilidades/superdotação. Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, v. 11, n. 22, p. 79-94, 2 dez. 2019.