Os desafios da educação das relações étnico-raciaise a formação de professores para a educação infantil

  • Erisvaldo Pereira dos Santos Universidade Federal de Ouro Preto
  • Ludmila Costa Meira Universidade Federal de Ouro Preto
Palavras-chave: Educação infantil. Relações raciais. Formação docente.

Resumo

Resumo

 

Este trabalho é um dos resultados da pesquisa realizada com pedagogas que atuam na educação infantil no Município de Governador Valadares-MG. Seu objetivo principal foi investigar como pedagogas escolares que atuam especificamente na Educação Infantil orientam as práticas educativas com foco nas relações étnico-raciais, baseada  em uma educação antirracista. Amparamos esta pesquisa em marcos legais da educação brasileira e também em reflexões sobre as relações raciais no Brasil, com foco na crítica ao “mito da democracia racial”, que continua desafiando a formação e a pratica docente. Na metodologia utilizamos de entrevistas semiestruturada e análise documental.  Os resultados de nossa pesquisa aproximam-se de outras investigações sobre educação das relações étnico-raciais na Educação Infantil, remetendo para o campo de formação de professores, alguns desafios relacionados às bases teóricas e também às práticas pedagógicas desenvolvidas.     

Palavras-chave: Educação infantil. Relações raciais. Formação docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ludmila Costa Meira, Universidade Federal de Ouro Preto

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Ouro Preto, pedagoga da Prefeitura Municipal de Governador Valadares-MG

Referências

Referências



ALCARAZ, Rita de Cassia Moser. Políticas de leitura para a infância no município de Curitiba: o livro como direito à promoção da igualdade racial. 2018. 226f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2018.
BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Presidência da República, 1988[2016]. Disponível em:
. Acesso em: 02 abr. 2019.
BRASIL. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: Senado, 20 de dezembro1996. Disponível em: . Acesso em: 03 abr. 2019.
BRASIL. Lei no. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 de julho 1990.
BRASIL. Lei nº. 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que altera a Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e estabelece as Diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e cultura afro-brasileira”, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 de janeiro de 2003.
BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução nº. 1, de 15 de maio de 2006, que institui Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 de maio de 2006. Disponível em: . Acesso em: 03 jun. 2019.
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF: MEC/SEB, 2010. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2019.
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira. Brasília, DF: MEC/SECAD, 2005.
CASTRO, Moacir Silva de. Educação para as relações étnico-raciais: concepções e práticas de professoras da educação infantil. 2015. 139f. Dissertação (Mestrado em Gestão e Práticas Educacionais) – Universidade Nove de Julho, São Paulo, 2015.
CAVALLEIRO, Eliane S. Do silêncio do lar ao silêncio escolar: racismo, preconceito e discriminação na educação infantil. 1998. 225f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.
FERNANDES, Florestan, A integração do negro na sociedade de classes. 3ª ed. Vol. 1. São Paulo: Editora Ática, 1978.
GOMES, Nilma Lino. Movimento negro e educação: ressignificando e politizando a raça. Educ. Soc. [online], v.33, n.120, p.727-744, 2012. Disponível em: Acesso em 13/09/2019.
GOMES, Nilma Lino.(Org.). Práticas pedagógicas de trabalho com relações étnico-raciais na escola na perspectiva da Lei nº 10.639/03. Brasilia, DF: MEC, Unesco, 2012b.
GONÇALVES, Luiz Alberto de Oliveira. O silêncio: um ritual pedagógico a favor da discriminação racial. 342f. 1985. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1985.
OLIVEIRA, Fabiana. Um estudo sobre a creche: o que as práticas educativas produzem e revelam sobre a questão racial? 2004. 119f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2004.
OLIVEIRA, Verediane Cintia de Souza. Educação das relações étnico-raciais e estratégias ideológicas no acervo do PNBE 2008 para educação infantil. 2010. 190f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Paraná, 2010.
OLIVEIRA, Waldete Tristão Farias. Diversidade étnico-racial no currículo da educação infantil: o estudo das práticas educativas de uma EMEI da cidade de São Paulo. 2017. 281f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo 2017.
PEREIRA, Erika Jennifer Honório. “Tia, existe flor preta?”: educar para as relações étnico-raciais. 2015. 183f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.
SARAIVA, Camila Fernanda. Educação infantil na perspectiva das relações étnico-raciais: relato de duas experiências de formação continuada de professores no município de Santo André. 2009. 353f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009.
Publicado
02-12-2019
Como Citar
SANTOS, E. P. DOS; MEIRA, L. C. Os desafios da educação das relações étnico-raciaise a formação de professores para a educação infantil. Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, v. 11, n. 22, p. 13-20, 2 dez. 2019.