Os planos curriculares de cursos em supervisão: um contributo para uma epistemologia da prática

  • Jane do Carmo Machado Universidade de Aveiro
  • Ana Isabel Andrade
  • Rui Neves

Resumo

Este estudo tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre as possibilidades de construção de uma epistemologia da prática supervisiva a partir da análise da formação na área da supervisão, com incidência sobre os planos curriculares de cursos de Mestrado em Supervisão das Instituições de Ensino Superior (IES) Portuguesas. O estudo fundamenta-se em três perspetivas conceptuais orientadoras da ação supervisiva: i) a ação supervisiva como transformadora e emancipatória; ii) a articulação entre desenvolvimento profissional e interação colaborativa; iii) a supervisão e a construção de uma epistemologia da prática. Face às semelhanças dos planos curriculares de diversas Instituições de Ensino Superior Portuguesas em relação ao conteúdo programático, podemos sustentar que se defende uma proposta que oferece aos profissionais uma visão do campo da supervisão no terreno da prática, propiciando um espaço de desenvolvimento profissional a partir da reflexão sobre a prática educativa e/ou formativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALARCÃO, Isabel. Desenvolvimento profissional, interação colaborativa e supervisão. In: MACHADO, Joaquim; ALVES, José Matias (Coords.). Coordenação, supervisão e liderança: escolas, projetos e aprendizagens. E-book. Porto: Universidade Católica Editora, 2014, p. 22-35. ISBN 978.989.8366.78-8.

ALARCÃO, Isabel. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 7 ed. São Paulo: Cortez, v. 8 - Coleção questões de nossa época, 2010a.

ALARCÃO, Isabel. Do olhar supervisivo ao olhar sobre a supervisão. In Mary Rangel (Org.). Supervisão pedagógica: princípios e práticas. Campinas, SP: Papirus – Coleção Magistério: Formação e trabalho pedagógico, 2010b, p. 11-55.

ALARCÃO, Isabel; TAVARES, José. Supervisão da Prática Pedagógica. Uma perspectiva de desenvolvimento e aprendizagem. 2 ed. Coimbra: Almedina, 2010.

IMBERNÓN, Francisco. Formação permanente do professorado: novas tendências. São Paulo: Cortez, 2009.

IMBERNÓN, Francisco. Formação continuada de professores. Tradução Juliana dos Santos Padilha. Porto Alegre: Artmed, 2010.

MACHADO, Jane do Carmo. O discurso de professores: uma contribuição para a formação continuada e em serviço de professores. Trabalho de conclusão de estudos de Tópicos especiais em LSC - subjetividade e cultura: leituras de Bakhtin do Curso de Doutorado em Educação da Universidade Federal Fluminense. Niterói, RJ: PPGEUFF, 2012.

MACHADO, Jane do Carmo. Os Ateliês de formação na escola: uma articulação com o trabalho docente. Anais do XII Congresso Nacional de Educação – Educere – Formação de Professores, complexidade e trabalho docente, 2015, p. 34714- 34727. Disponível em:< https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/17158_7487.pdf>. ISSN 2176-1396.

PORTUGAL. Decreto-Lei nº 74/2006 - Alterado pelo Decreto-Lei nº 107/2008, de 25 de junho, pelo Decreto-Lei nº 230/2009, de 14 de setembro, pelo Decreto-Lei nº 115/2013, de 7 de agosto, pelo Decreto-Lei nº 63/2016, de 13 de setembro e pelo Decreto-Lei nº 65/2018, de 16 de agosto. Diário da República. Diário da República, 1.ª série A — N.º 60 — 24 de março de 2006. Disponível em:< https://dre.pt/application/file/a/671482>.

PORTUGAL. Decreto-Lei nº 79/2014. Diário da República. Diário da República, 1.ª série — N.º 92 — 14 de maio de 2014. Disponível em< https://dre.pt/application/file/a/25344968>.

RANGEL, Mary. Considerações sobre o papel do supervisor, como especialista em educação, na América Latina. In: RANGEL, Mary; SILVA JR., Celestino Alves da. (Orgs.). Nove olhares sobre a supervisão. 11 ed. São Paulo: Papirus - Coleção Magistério: Formação e trabalho pedagógico, 2005, p. 147- 161. .

RANGEL, Mary. Supervisão e orientação educacional: concepções e práticas conjuntas. In: RANGEL, Mary (Org.). Supervisão e gestão na escola: conceitos e práticas de mediação. 2 ed. Campinas, SP: Papirus - Coleção Magistério: Formação e trabalho pedagógico, 2009, p. 11-23.

RANGEL, Mary. O estudo como prática de supervisão. In: RANGEL, Mary (Org.). Supervisão pedagógica: princípios e práticas. Campinas, SP: Papirus– Coleção Magistério: Formação e trabalho pedagógico, 2010, p. 57-67.

SÁ-CHAVES, Idália. Formação, conhecimento e supervisão: Contributos nas áreas de formação de professores e de outros profissionais. Estudos temáticos 1, Universidade de Aveiro, 2011.

VIEIRA, Flávia. Para uma visão transformadora da Supervisão Pedagógica. Educ. Soc., Campinas, vol. 30, n. 106, p. 197-217, jan./abr., 2009. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/es/v30n106/v30n106a10.pdf>.

VIEIRA, Flávia; MOREIRA, Maria Alfredo. Supervisão e avaliação do desempenho docente: para uma abordagem de orientação transformadora. Cadernos do CCAP, 1. Lisboa: Ministério da Educação – Conselho Científico para a Avaliação de Professores, 2011. Disponível em:.

ZEICHNER, Ken. Repensando as conexões entre a formação na universidade e as experiências de campo na formação de professores em faculdades e universidades. Educação, Santa Maria, vol. 35, n. 3, p. 479-504, set./dez., 2010. ISSN 1984-6444. Disponível em:< https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/2357/1424>.
Publicado
28-07-2020
Como Citar
DO CARMO MACHADO, J.; ANDRADE, A. I.; NEVES, R. Os planos curriculares de cursos em supervisão: um contributo para uma epistemologia da prática. Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, v. 12, n. 24, p. 135-150, 28 jul. 2020.