Quando as crianças viadas interpelam a docência

  • Paulo Nogueira Faculdade de Educação da UFMG

Resumo

O presente ensaio se propõe a pensar as relações de gênero e aspectos da diversidade sexual a partir das contribuições de um episódio televisivo, um texto de Eve Sedgwick e outro de Giancarlo Cornejo: enunciações em torno dos meninos efeminados. Postulamos que nos debruçarmos sobre as “crianças viadas” pode nos ajudar a compreender as hierarquias de gênero que provocam e sustentam as assimetrias entre distintas posições. Assim, a partir desse analisador, interroga-se a escola e a formação de professores e professoras para pensarmos como nos posicionarmos frente a essas crianças como expressões da diferença.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BERSANI. Leo. Homos. Buenos Aires: Editora Manantial. 1998, p. 206.
BUTLER, Judit. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In.: LOURO: Guacira. (org.) O corpo Educado: pedagogias da sexualidade. 1999, p. 176.
BUTLER, Judith. Mecanismos psíquicos del poder: teorías sobre la sujeción. Madrid: Ediciones Cátedra, 2001, p. 213.
BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. 236 p.
BUTLER, Judith. Vida precaria: el poder del duelo y laviolencia. Buenos Aires: Paidós, 2009. p.192.
CORNEJO, Giancarlo. La guerra declarada contra el niño afeminado: uma autoetnografia “queer”. Disponível em https://revistas.flacsoandes.edu.ec/iconos/article/view/747/727. Visualizado em: 29 abr. 2020.
DERRIDA, Jacques. A escritura e a diferença. São Paulo: Editora Perspectiva. 2002, p. 252.
DICIONÁRIO HOUAISS. Disponível em https://houaiss.uol.com.br/pub/apps/www/v5-2/html/index.php. Visualizado em: 29 abr. 2020.
EPSTEIN, Débora; JOHNSON, Richard. Sexualidades e institución escolar. Madrid: EdicionesMorata; Coruña: Ediciones Paideia. 2000, p. 231.
ERIBON, Didier. Reflexões sobre a questão gay. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2008. 445p.
FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 10ª ed., 1990a, p. 152.
FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: o uso dos prazeres. Rio de Janeiro: Graal, 6ª ed., 1990b, p. 232.
GREEN, James; QUINALHA, Renan; CAETANO, Márcio; FERNANDES, Marisa; (orgs) Historia do movimento LGBT no Brasil. São Paulo: Alameda. 2018. p. 536.
HALPERIN, David. How to do the History of Homosexuality. Chicago/London: The Universityof Chicago Press. 2002, p. 208.
HESS. Remi. La socianalyse. Paris: EditionsUniversitaires. 1975, 113p.
JIMENEZ, Rafael; Manifiestos gays, lesbianos, y queer: testimonios de uma lucha (1969 – 1994), Barcelona: Icaria. 2009. p.268.
NÓVOA, António. O Passado e o presente dos professores. In.: NÓVOA, António. (org.) Profissão professor. Porto: Porto Editora. 1991. 11 – 32p.
SEDGWICK, Eve. “How to Bring Your Kids Up Gay”. In WARNER. Michael. (org.) Fear of a Queer Planet: Queer Politics and Social Theory. Minneapolis / London: University of Minnesota Press, 1993, p. 69-81.
SEDGWICK, Eve. Epistemologia do armário. Disponível em https://www.scielo.br/pdf/cpa/n28/03.pdf. Visualizado em 4 de maio de 2020.
TREVISAN, João Silvério. Devassos no paraíso. 3. ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Record, 2000. p.586.
VARELA, Julia;URIA, Fernando Alvarez; A maquinaria escolar, In.: Teoria e Educação. Porto Alegre: Pannonica Editora. nº 6. 1992. 68 96 p.
WELZER-LANG, Daniel. A construção do masculino: dominação das mulheres e homofobia. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ref/v9n2/8635.pdf. Visualizado em: 29 abr. 2020.
WINKLER, John. Las coacciones del deseo: antropologia del sexo y el gênero em laantiguaGrecia. Buenos Aires: Manantial. 1994, p. 307.
Publicado
07-08-2020
Como Citar
NOGUEIRA, P. Quando as crianças viadas interpelam a docência. Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, v. 12, n. 24, p. 105-120, 7 ago. 2020.