Concepções de contextualização do ensino entre os professores de ciências que atuam em comunidades tradicionais

  • Silvia Carla Souza Matos Figuerêdo Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Grupo de Investigações em Etnobiologia e Ensino de ciências (GIEEC)
  • Geilsa Costa Santos Baptista Universidade Estadual de Feira de Santana
Palavras-chave: Concepções de professores. Contextualização do ensino. Diálogo intercultural. Natureza da ciência.

Resumo

A pesquisa qualitativa teve por objetivo analisar como os professores de ciências nas comunidades tradicionais concebem o termo “contextualização do ensino” e quais são as implicações dessas concepções para a promoção do diálogo intercultural nas salas de aula. Os dados foram obtidos através de entrevistas semiestruturadas com duas professoras de biologia de uma escola pública do estado da Bahia que atende estudantes agricultores e a análise se deu com base na Análise de Conteúdo proposta por Laurence Bardin. No geral, os resultados indicam que essas professoras concebem a contextualização dos conteúdos de ensino como fundamentalmente nas realidades dos educandos. Embora a contextualização no ensino possa estar relacionada às realidades dos estudantes, entendemos que essa não é a única via, sendo necessárias mudanças nas concepções das professoras de modo a inserir a história e da filosofia da ciência como forma de contextualização dos conteúdos dentro da perspectiva do diálogo intercultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AIKENHEAD, G. S.; JEGEDE, O. J. Cross-cultural science education: A cognitive explanation of a cultural phenomenon. Journal of Research in Science Teaching, v. 36, n. 3, p. 269-287, 1999.

APOSTOLOU, A.; KOULAIDIS, V. Epistemology and science education: a study of epistemological views of teachers. Research in Science & Technological Education, v. 28, n. 2, p. 149-166, 2010. DOI: https://doi.org/10.1080/02635141003750396.

BAHIA. Secretaria da Educação do Estado da Bahia (SEC). Orientações Curriculares para o Ensino Médio. Área: ciências da natureza. Salvador: Secretaria da Educação, 2015.

AUTOR1.

AUTOR2.

AUTOR3.

AUTOR4.

BARDIN L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1977.

BARRENECHEA, C. A. Cognição situada e a cultura da aprendizagem: algumas considerações. Educar em Revista, n. 16, p. 139-153, 2000. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.211.

BASSOLI, F.; LOPES, J. G. S.; CÉSAR, E. T. Reflexões sobre experiências de formação continuada de professores em um centro de ciências: trajetória, concepções e práticas formativas. Ciência & Educação (Bauru), v. 23, n. 4, p. 817-834, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/1516-731320170040002.

BIZZO, N. Ciências: fácil ou difícil. 2. ed. São Paulo: Ática, 2002.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira - LDB 9.394/96. Brasília: Diário Oficial, ano 134, n. 248, 1996.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais/ Ministério de Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais: ensino médio. Brasília: MEC/SEMTEC, 1999.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012. Normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Diário Oficial da União, 2013.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília: MEC/CONSED/UNDIME, 2017.

BUENO, F. S. Minidicionário da Língua Portuguesa. São Paulo: Editora FTD, 1996.

CACHAPUZ, A., PRAIA, J.; JORGE, M. Da educação em ciência às orientações para o ensino das ciências: um repensar epistemológico. Ciência & Educação, v. 10, n. 3, p. 363-381, 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-73132004000300005.

CARVALHO, L. M. A natureza da Ciência e o ensino das Ciências Naturais: Tendências e perspectivas na formação de professores. Pro-Posiçóes, v. 12, n. 1, p. 139-150, 2001.

COBERN, W. W. Contextual constructivism: the impact of culture on the learning and teaching of science. In: TOBIN, K. G. The practice of constructivism in science education, p. 51-69. Hillsdale, N. J.: Lawrence Erlbaum, 1993.

COBERN, W. W. Worldview theory and conceptual change in science education. Science Education, v. 80, n. 5, p. 579-610, 1996. DOI: https://doi.org/10.1002/(SICI)1098-237X(199609)80:5<579::AID-SCE5>3.0.CO;2-8

COBERN, W. W. Apples and oranges: a rejoinder to Smith and Siegel. Science Education, v. 13, n. 6, p. 583-589, 2004. DOI: 10.1023/B: SCED.0000042856.33782.7b.

COBERN, W. W.; LOVING, C. C. Defining “science” in a multicultural world: implications for science education. Science Education, v. 85, n. 1, p. 50-67, 2001.

CORTEZ J.; DARROZ L.; A Contextualização no Ensino de Ciências na Visão de Professores da Educação Básica. Revista Thema, v. 14, n. 3, p. 182-190, 2017.

COSTA, H. H. C.; LOPES, A. C. A contextualização do conhecimento no ensino médio: tentativas de controle do outro. Educação & Sociedade, v. 39, n. 143, p. 301-320, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/es0101-73302018184558.

CREPALDE, R. DOS S.; AGUIAR-JÚNIOR, O. G. Abordagem intercultural na educação em Ciências: da energia pensada à energia vivida. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 30, n. 3, p. 43-61, 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-46982014000300003.

CUEVAS, J. Conocimientos locales y universales en ciencias naturales y matemáticas: Reflexiones sobre su negociación desde el currículo y los materiales educativos. In: Ascencio, G. Teoría y práctica de la educación intercultural en Chiapas, p. 213-231. México: PROIMMSE UNAM, 2013.

DIEGO-RASILLA, F. J. El método científico como recurso pedagógico en el bachillerato: haciendo ciencia en clase de biología. Pulso, v. 27, p. 111-118, 2004.

DIEGUES, A.C. (Org.). Os saberes tradicionais e a biodiversidade no Brasil. São Paulo: NUPAUB/USP, 1999.

DUARTE, N. Educação escolar, teoria do cotidiano e a escola de Vigotski, polêmicas do nosso tempo. 4. ed. Campinas: Autores Associados, 2007.

FESTAS, M. I. F. A aprendizagem contextualizada: análise dos seus fundamentos e práticas pedagógicas. Educação e Pesquisa, v. 41, n. 3, p. 713-728, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-9702201507128518.

GIL-PÉREZ, D.; FERNÁNDEZ, I.; CARRASCOSA, J.; CACHAPUZ, A.; PRAIA, J. Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação (Bauru), v. 7, n. 2, p. 125-153, 2001. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132001000200001.

GODOY, A. S. Introdução a pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 2, p. 57-63, 1995.

KATO, D. S.; KAWASAKI, C. S. As Concepções de Contextualização do Ensino em Documentos Curriculares Oficiais de Professores de Ciências. Ciência & Educação (Bauru), v. 17, n. 1, p. 35-50, 2011. DOI: http://doi.org/10.1590/S1516-73132011000100003.

LAVE, J. Aprendizagem como/na prática. Horizontes Antropológicos, v. 21, n. 44, p. 37-47, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-71832015000200003.

LEDERMAN, N. G.; LEDERMAN, J. S.; ANTINK, A. Nature of science and scientific inquiry as contexts for the learning of science and achievement of scientific literacy. International Journal of Education in Mathematics, Science and Technology, v. 1, n. 3, p. 138-147, 2013.

LEITE, F. de A.; RADETZKE, F. S. Contextualização no ensino de ciências: compreensões de professores da educação básica. VIDYA, v. 37, n. 1, p. 273-286, 2017 DOI: https://doi.org/10.37781/vidya.v37i1.1560.

LOPES, A. C. Os parâmetros curriculares nacionais para o ensino médio e a submissão ao mundo produtivo: o caso do conceito de contextualização. Educação & Sociedade, v. 23, n. 80, p. 386-400, 2002.

LOPES, A. R. C. Pluralismo cultural em políticas de currículo nacional. In: Moreira A. F. B. Currículo: políticas e práticas, p. 59–80. Campinas: Papyrus, 1999.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Editora Pedagógica Universitária, 1986.

MACHADO, N. J, Epistemologia e didática: concepções de conhecimento e inteligência e a prática docente. 6 ed. São Paulo: Editorial Cortez, 2005.

MARQUES, J. Pescando pescadores (2a ed.). São Paulo: NUPAUB/USP, 1995.

MATTHEWS, M. R. História, filosofia e ensino de ciências: a tendência atual de reaproximação. Caderno Catarinense de Ensino de Física, v. 12, n. 3, p. 164-214, 1995.

PRESTES, M. E. B.; CALDEIRA. A. M. A. Introdução. A importância da história da ciência na educação científica. Filosofia e História da Biologia, v. 4, p. 1-16, 2009.

POZO, J. I. Aprendizes e Mestres: a nova cultura da aprendizagem. Tradução de Ernani Rosa, Porto Alegre: Artmed Editora, 2002.

RICARDO, E. C. Competências, interdisciplinaridade e contextualização: Parâmetros Curriculares Nacionais a uma compreensão para o ensino das ciências. Tese (doutorado em Educação Científica e Tecnológica), Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, 2005.

SILVA, C. C.; MARTINS, R. A. A teoria das cores de Newton: um exemplo do uso da História da Ciência em sala de aula. Ciência & Educação, v. 9, n. 1, p. 53-65, 2003. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132003000100005.

TARDIF, M.; LESSARD, C.; LAHAYE, L. Os professores face ao saber: esboço de uma problemática do saber docente. Teoria & Educação, v. 4, p. 215-233, 1991.

TOLEDO, V. What is ethnoecology? Origins, scope and implications of a rising discipline. Etnoecológica, v. 1, n. 1, p. 5-21, 1992.

VELOSO, A. S.; SANTOS, P. M.; RODRIGUES, J. M.; KALHIL, J. B. O conceito de história da ciência e o seu impacto para a educação em ciências. Revista Amazônica de Ensino de Ciências, v. 4, n. 7, p. 80-87, 2011.

VYGOTSKY, L. S. Obras escogidas: fundamentos de defectologia. Madrid: Visor, 1997.
Publicado
2021-09-15
Como Citar
SOUZA MATOS FIGUERÊDO, S. C.; BAPTISTA, G. C. S. Concepções de contextualização do ensino entre os professores de ciências que atuam em comunidades tradicionais. Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, v. 13, n. 27, p. 99-116, 15 set. 2021.