DE LICENCIADO A PROFESSOR DE BIOLOGIA: UM ESTUDO FENOMENOLÓGICO SOBRE FORMAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO PROFISSIONAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31639/rbpfp.v15i34.704
Abstract views: 234 / PDF downloads: 140

Palavras-chave:

Atratividade docente, Formação de Professores de Biologia, Identidade docente, Licenciatura, Profissionalização docente

Resumo

A pesquisa teve como objetivo investigar os aspectos decisivos para a escolha pelo curso de Biologia e pela carreira docente. Para tanto, utilizamos o método Fenomenológico para realizar entrevistas com 13 professores de Biologia. Como resultado, observamos que tanto a escolha pelo curso quanto pela carreira docente teve um forte polo de influência na identificação com a atuação dos professores do ensino médio, demonstrando o fraco potencial de engajamento profissional que a Licenciatura exerceu nesse processo. Também compreendemos que, para a maioria dos professores, se tornar professor não era uma intenção prioritária, sendo uma escolha mediante a ausência de outras oportunidades de trabalho. Dados que reforçam o baixo envolvimento dos biólogos com o universo pedagógico no período da Licenciatura.

Downloads

Não há dados estatísticos.
 PlumX Metrics

Referências

ANTIQUEIRA, Lia Maris Orth Ritter. Biólogo ou professor de Biologia? A formação de licenciados em Ciências Biológicas no Brasil. Revista Docência no Ensino Superior, v.8, n.2, 2018.

AYRES, Ana Cléa Braga Moreira. Tensão entre Matrizes: Um estudo a partir do curso de Ciências Biológicas da Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Tese de Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil, 2005.

BRANDO, Fernanda da Rocha. CALDEIRA, Ana Maria de Andrade. Investigação sobre a identidade profissional em alunos de Licenciatura em Ciências Biológicas. Ciência e Educação, v. 15, n. 1, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-73132009000100010

BRASIL. Lei nº 13.005/2014, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 jun. 2014. Seção 1, p. 1. Edição Extra.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Relatório do 4º Ciclo de Monitoramento das Metas do Plano Nacional de Educação. Brasília, DF: Inep, 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de Licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF: Conselho Nacional de Educação, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_02.pdf. Acesso em: 21 fev. 2023.

CARNEIRO, Maria Helena da Silva. Significados atribuídos a uma boa aula de Biologia: Estudo das representações de alunos e professores. In: CARNEIRO, Claudia Christina Bravo e Sá. LEITE, Raquel Crosara Maia. (Orgs). Ensino de Ciências: Abordagens múltiplas. Curitiba, Brasil: Editora CRV, 2013.

CARVALHO, Ana Maria Pessoa de. GIL-PÉREZ, Daniel. Formação de professores de Ciências: Tendências e inovações. 10. ed. São Paulo, Brasil: Cortez, 2011.

CASTRO, S. M. V. Biólogos, da universidade ao mercado de trabalho: um estudo entre estudantes e egressos do curso de Licenciatura em Biologia. Tese (Doutorado em Educação), Departamento de Educação, Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 2010.

CFBIO. Conselho Federal de Biologia. Resolução nº 227/2010. Dispõe sobre a regulamentação das Atividades Profissionais e as Áreas de Atuação do Biólogo, em Meio Ambiente e Biodiversidade, Saúde e, Biotecnologia e Produção, para efeito de fiscalização do exercício profissional. 2010.

COLAIZZI, Paul. Psychological Research as the Phenomenologist Views It. In: VALLE, R. S.; KING, M. (Eds.). Existential Phenomenological Alternatives for Psychology. Nova York: Oxford University Press, 1978.

CRESWELL, John Ward. Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: Escolhendo entre cinco abordagens. 3. ed. Porto Alegre, Brasil: Penso, 2014.

DURÉ, R. C. Formação, currículo e identificação profissional: um estudo de caso no curso de licenciatura em ciências biológicas da UFPB. Tese (Doutorado em Educação), Centro de Educação, Universidade Federal da Paraíba, Paraíba, 2022. DOI: https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2023u10831109

FONSECA, Lana Cláudia de Souza. Escrevo essas mal traçadas linhas... A utilização de cartas na formação de professores de Biologia. In: BARZANO, Marco Antônio Leandro. ARAÚJO, Maria Lourdes Haymanos Santos. (Orgs.). Formação de professores: Retalhos de saberes. Feira de Santana, BA: UFES Editora, 2011.

FONTANELLA, Bruno Jose Barcellos Fontanella. LUCHESI, Bruna Moretti. SAIDEL, Maria Giovana Borges. RICAS, Janete. TURATO, Egberto Ribeiro. MELO, Débora Gusmão. Amostragem em pesquisas qualitativas: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Caderno de Saúde Pública, v. 27, n. 2, 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csp/v27n2/20.pdf. Acesso em: 21 fev. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2011000200020

GATTI, Bernardete Angelina. Atratividade da carreira docente no Brasil (Relatório final). São Paulo, Brasil: Fundação Victor Civita, 2009. Disponível em: http://www.zerohora.com.br/pdf/15141177.pdf. Acesso em: 19 fev. 2023.

MOREIRA, Daniel Augusto. O método fenomenológico na pesquisa. São Paulo, Brasil: Pioneira Thomson Learning, 2004.

SEMESP. Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior no Estado de São Paulo. Risco de apagão de professores no Brasil. 2022. Disponível em: https://www.semesp.org.br/pesquisas/risco-de-apagao-de-professores-no-brasil/ .Acesso em: 19 fev. 2023.

VENTURA, Rafael Coelho. Trajetórias profissionais de egressos do curso de graduação em Ciências Biológicas da UFRJ: Um estudo sobre (não)atratividade da docência. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação) - Departamento de Educação, Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 2015.

Downloads

Publicado

2024-02-09

Como Citar

DURÉ, R. C.; ANDRADE, M. J. D. de; ABÍLIO, F. J. P. DE LICENCIADO A PROFESSOR DE BIOLOGIA: UM ESTUDO FENOMENOLÓGICO SOBRE FORMAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO PROFISSIONAL. Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, [S. l.], v. 15, n. 34, p. 35–48, 2024. DOI: 10.31639/rbpfp.v15i34.704. Disponível em: https://revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/704. Acesso em: 23 maio. 2024.