Aproximações e distanciamentos entre as orientações no estágio supervisionado (ESO) e no programa de residência pedagógica (PRP) na formação dos professores de química

  • Thiago Araujo Silveira Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Maria Cléa Gomes Marinho Universidade Federal Rural de Pernambuco
Palavras-chave: Programa de Residência Pedagógica; Estágio Supervisionado Obrigatório; Orientação; Formação de Professores de Química

Resumo

Buscando melhor formar os futuros professores e incentivar experiências pedagógicas na educação básica, o Estágio Supervisionado e o Programa de Residência Pedagógica propõem-se a aproximar e articular contextos e práticas da educação básica com a da educação superior.  Neste trabalho, preocupamo-nos em analisar as aproximações, distanciamentos, contribuições e limitações presentes nas concepções sobre as orientações que ocorrem com os professores que atuam paralelamente no Estágio Supervisionado e PRP em Serra Talhada-PE. A coleta de dados ocorreu por meio de uma entrevista semiestruturada, enquanto que a análise foi feita com a Análise Hermenêutica-Dialética. Como resultados, verificamos que o processo de orientação impacta positivamente a formação dos futuros professores e a co-formação dos professores supervisores tanto no ESO como no PRP; são produzidos espaços de formação coletiva principalmente no PRP;  ESO e PRP propiciam espaços formativos privilegiados de aprendizagem uma vez que inserem os professores em contextos práticos ainda na Universidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Araujo Silveira, Universidade Federal Rural de Pernambuco

É Licenciado em Química, Mestre e Doutor no Ensino de Ciências pela Universidade Federal Rural de Pernambuco.  É Professor Adjunto na Universidade Federal Rural de Pernambuco - Unidade Acadêmica de Serra Talhada e coordenador do Grupo de Pesquisa em Dialética, Hermenêutica, Dialogicidade e Complexidade no Ensino de Ciências.

Maria Cléa Gomes Marinho, Universidade Federal Rural de Pernambuco

É Licenciada em Química pela Universidade Federal Rural de Pernambuco - Unidade Acadêmica de Serra Talhada, participante do Grupo de Pesquisa em Dialética, Hermenêutica, Dialogicidade e Complexidade no Ensino de Ciências.

Referências

ARAÚJO, O. H. A. “Nova” Política Nacional de Formação de Professores com residência pedagógica: para onde caminha o estágio supervisionado?. Série-Estudos - Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB, [S.L.], v. 20, n. 52, p. 253, 4 dez. 2019. Universidade Católica Dom Bosco. http://dx.doi.org/10.20435/serie-estudos.v20i52.1270.
ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO (ANPED). A política de formação de professores no Brasil de 2018: uma análise dos Editais CAPES de Residência Pedagógica e PIBID e a reafirmação da resolução CNE/CP 02/2015. Rio de Janeiro, ANPED, 2018. Disponível em: http://www.anped.org.br/news/em-audiencia-no-cne-anped-e-entidades-de-pesquisa-repudiam-submissao-de-formacao-de-professores. Acesso em: 1º maio 2019.
BARRETO, E. S. O estágio supervisionado obrigatório na formação do professor de ciências biológicas da UFRPE: olhares de estagiários e orientadores. 2014. 177 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Ensino das Ciências) - Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife.
BORTOLINI, M. R. A pesquisa na Formação de Professores: experiências e representações. 2009. 197 f. Tese (Doutorado em Educação) - Departamento de Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 01 ago. 2017.
BRASIL. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996; revoga as Leis nos 6.494, de 7 de dezembro de 1977, e 8.859, de 23 de março de 1994, o parágrafo único do art. 82 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e o art. 6o da Medida Provisória no 2.164-41, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências.. . Brasília, Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11788.htm. Acesso em: 19 mar. 2019.
BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoa de Nível Superior. PRP: Programa Residência Pedagógica. 2018. Disponível em: < https://capes.gov.br/educacao-basica/programa-residencia-pedagogica>. Acesso em 23 de out. de 2019
GADAMER, H. G. Verdade e Método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Tradução Flávio Paulo Meurer. 2.ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1998
GARCIA, C. M. Formação de Professores: para uma mudança educativa. Porto Editora. Portugal. 1999.
GUERRA, M. D. S. Reflexões sobre um processo vivido em estágio supervisionado: Dos limites às possibilidades, 1995. Dissertação de Mestrado – Faculdade de Educação da UNICAMP, 1995. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/gt_08_11.pdf. Acesso em:25 de out. de 2019
LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.
MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8.ed. São Paulo: Hucitec, 2008.
MOTA, A. S.; OLIVEIRA, B. K. S.; COSTA, F. F.; ROCHA, J. A. A.; REIS, M. A.; PAIVA, T. C. Residência Pedagógica: Uma Contribuição para a Formação Inicial de Professores 2018. Disponível em: http://editorarealize.com.br/revistas/enalic/trabalhos/443-55106-29112018-111245.pdf. Acesso em: 23 de out. de 2019
NÓVOA, A. Para uma formação de professores construída dentro da profissão. Revista de Educación, Madrid, v. 350, n. 9, p. 203-218, 2009. Disponível em: http://www.revistaeducacion.educacion.es/re350/re350_09por.pdf. Acesso em 10 de nov. de 2019.
OLIVEIRA, M. M. Complexidade, Dialogicidade, Círculo Hermenêutico no processo de pesquisa e formação de professores. 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2014.
PANIAGO, R. N.; SARMENTO, T. J. O processo de estágio supervisionado na formação de professores portugueses e brasileiros. Revista Educação em Questão, Natal, RN, v. 53, n. 39, p. 76-103, maio/ago. 2015. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2019.
PIMENTA, S. G. e LIMA, M. S. L. Estágio e Docência. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2004.
PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e Docência. 3ª ed. – São Paulo: Cortez, 2008. – (Coleção Docência em Formação. – Série Saberes Pedagógicos).
SCHNETZLER, R. P. Como associar ensino com pesquisa na formação inicial e continuada de professores de Ciências? Atas do II Encontro Regional de Ensino de Ciências. Piracicaba: UNIMEP, 18-20 out, 1996.
SILVEIRA, T. A. Análises das orientações conceituais e metas de formação no programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência de Ciências.2017. Tese de Doutorado (Doutorado em Ensino de Ciências) – Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2017.
UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO (UFRPE). Projeto Institucional: residência pedagógica. Recife: Ufrpe, 2018. 34 p.
Publicado
22-12-2020
Como Citar
SILVEIRA, T. A.; GOMES MARINHO, M. C. Aproximações e distanciamentos entre as orientações no estágio supervisionado (ESO) e no programa de residência pedagógica (PRP) na formação dos professores de química. Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, v. 12, n. 25, p. 235-248, 22 dez. 2020.