Residência Pedagógica: entre convergências e disputas o campo da Formação de Professores

  • Isabel Maria Sabino de Farias
Palavras-chave: Política de formação de professores. Programa Residência Pedagógica. Aprendizagem da docência. Formação inicial.

Resumo

O trabalho discute o Programa de Residência Pedagógica (PRP) como uma política educacional de formação de professores. A análise identifica o PRP como prática formativa que toma de empréstimo o princípio da imersão do licenciando no futuro contexto de trabalho. Ao problematizar a emergência do PRP como política pública, delineada sobretudo no pós-golpe de 2016, considera que ela exprime a disputa sociopolítica e educacional em torno das práticas de formação de professores, evidenciando tendência das políticas neoliberais de imposição de orientações curriculares, a exemplo do que ocorre com a BNCC da Educação Básica. Argumenta-se que é isso que se sucede com o PRP em relação ao Pibid e ao Estágio Supervisionado, gerando sobreposição e fragmentação que tende a acentuar a dicotomização teoria e prática na formação inicial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Professores iniciantes: egressos de programas de iniciação à docência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 23, e230095, dez. 2018. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1413-24782018000100280&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt.

AGUIAR, Márcia Ângela da Silva. Relato da resistência à instituição da BNCC pelo Conselho Nacional de Educação mediante pedido de vista e declarações de votos. In: AGUIAR, Márcia Ângela da Silva; DOURADO, Luiz Fernandes. (Orgs.). A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Recife: ANPAE, 2018, p.8-22.

ANPED. Uma formação formatada. Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: https://bit.ly/2I2KBv7. Acesso em: 15 jan.2020. Disponível em https://anped.org.br/news/posicao-da-anped-sobre-texto-referencia-dcn-e-bncc-para-formacao-inicial-e-continuada-de.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Resoluções CNE/CP, Brasília, 2002. Disponível em http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_02.pdf.

BRASIL.Decreto n. 6.316, de 20 de dezembro de 2007. Aprova o estatuto e o quadro demonstrativo dos cargos em comissão da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes –, e dá outras providências. 2007. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6316.htm#:~:text=Decreto%20n%C2%BA%206316&text=DECRETO%20N%C2%BA%206.316%2C%20DE%2020%20DE%20DEZEMBRO%20DE%202007.&text=Aprova%20o%20Estatuto%20e%20o,que%20lhe%20confere%20o%20art..

BRASIL. Decreto nº 7.219. Dispõe sobre o PIBID – Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília/DF, 24 jun. 2010. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7219.htm#:~:text=Disp%C3%B5e%20sobre%20o%20Programa%20Institucional,vista%20o%20disposto%20no%20art.

BRASIL.Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília: MEC. 2017. Disponível em http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_20dez_site.pdf.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução n. 2 de 1 de julho de 2015. Define as diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial em nível superior e para a formação continuada. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 1 jul. 2015. Disponível em http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file.

CAPES. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Edital 6: Chamada Pública para apresentação de propostas no âmbito do Programa de Residência Pedagógica. 2018. Brasília: Ministério da Educação, 2018. Disponível em http://uab.capes.gov.br/images/stories/download/editais/01032018-Edital-6-2018-Residencia-pedagogica.pdf.

CAPES. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Edital Nº 01/2020. 2020. Brasília: Ministério da Educação, 2020. Disponível em http://uab.capes.gov.br/images/novo_portal/editais/editais/21102020-Edital-1-RP-Altera%C3%A7%C3%A3o.pdf.

CARDOSO, Nilson de Souza; FARIAS, Isabel Maria Sabino de. Qual o conceito de docência? entre resistências e investigações. Formação em Movimento, Rio de Janeiro, v.2, i.2, n.4, p. 395-415, jul./dez. 2020. Disponível em http://costalima.ufrrj.br/index.php/FORMOV/article/view/612/898.

CEBALLOS, Ingrid Muller de. “La formación docente em Alemania: uma ojeada histórica”. Revista Educación y Pedagogía, facultad de Educación, universidad de Antioquia, Colombia, n. 14 y 15, p. 170-177, 1995. Disponível em http://aprendeenlinea.udea.ed.co/revistas/index.php/revistaeyp/article/view/5008.

FARIA, Juliana Batista; DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio. Residência pedagógica: afinal, o que é isso?. Revista Educação Pública, Cuiabá, v. 28, n. 68, p. 333-356, maio/ago. 2019. Disponível em https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/8393/5630.

FARIAS, Isabel Maria Sabino de. O discurso curricular da proposta para BNC da formação de professores da educação básica. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 155-168, jan./mai. 2019. Disponível em https://bit.ly/37ZUFQc.

FARIAS, Isabel Maria Sabino de; JARDILINO, José Rubens; SILVESTRE, Magali Aparecida. Aprender a ser professor: aportes de pesquisa sobre o PIBID. Jundiaí: Paco editorial, 2015.

FICHTNER, Bernd; BENITES, Maria. O ofício do professor na Alemanha – uma entrevista. Educação, Porto Alegre, RS, ano XXVIII, v.3, n. 57, p. 535-546, set./dez.2005.

FONTOURA, Helena Amaral da. Residência Pedagógica: investigação-ação com professores egressos da Faculdade de Formação de Professores da UERJ. Revista de Educação Pública, Cuiabá, v. 20, n. 43, p. 307-372, 2011a.

FONTOURA, Helena Amaral da. Percursos de formação e experiências docentes: um estudo com egressos do curso de Pedagogia da Faculdade de Formação de Professores da UERJ. In: FONTOURA, H. A. (Org.) Residência Pedagógica: Percursos de formação e experiências docentes na Faculdade de Formação de Professores da UERJ. Niterói: Intertexto, 2011b. p. 11-23.

FORPIBID. Informe 01-2017. Apresentação do novo Diretório do FORPIBID. 2017 (mímeo).

FREITAS, Helena Costa Lopes de. PNE e formação de professores: contradições e desafios. Retratos da Escola, Brasília, v. 8, n. 15, p. 427-446, jul./dez. 2014. Disponível emhttp://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/viewFile/451/582.

HORII, Cristina Leika. Um estudo da residência médica para a compreensão da formação continuada de professores, 2013. 144f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) Universidade de São Paulo – São Paulo, 2013.

JARDILINO, José Rubens Lima. Políticas de formação de professores em conflito com o currículo: estágio supervisionado e Pibid. Educação, Santa Maria, v. 39, n. 2, p. 353-366, 2014. Disponível em https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/12068/pdf.

MARTINS, Maria Márcia de Castro; FARIAS, Isabel Maria Sabino de; CAVALCANTE, Maria Marina Dias. Nos caminhos entre estágio Supervisionado e o Pibid: o que contam os licenciandos de Biologia? In: ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICAS DE ENSINO, 16, 2012. Campinas. Anais. Campinas, SP: Junqueira & Marinho Editores, 2012. p.4212.

MEC. Política Nacional de Formação de Professores. Slides apresentados por Maria Helena Guimarães de Castro. Brasília, outubro de 2017.

NOGUEIRA, Eliane Greice Davanço; MELIN, Ana Paula Gaspar; ALMEIDA, Ordalia Alves. Trabalho docente e formação de professores: Os professores iniciantes e suas práticas. Debates em Educação, Maceió, vol. 3, nº 6, ago./dez. 2011.

NOVÓA, Antônio. Professores para 2050. In: FARIAS, Isabel Maria Sabino de; JARDILINO, José Rubens Lima; SILVESTRE, Magali Aparecida (Orgs). Aprender a ser professor. Aportes de pesquisa sobre o PIBID. Jundiaí, Paco Editorial, 2015.

PANIAGO, Rosenilde Nogueira; SARMENTO, Teresa. A Formação na e para a Pesquisa no PIBID: possibilidades e fragilidades. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 42, n. 2, p. 771-792, abr./jun. 2017.

PIMENTA, Selma Garrido. (Org.). Pedagogia e pedagogos: caminhos e perspectivas. São Paulo: Cortez, 2002.

PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágios supervisionados e o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência: duas faces da mesma moeda?. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 24, e240001. 2019.

REIS, Valdeci. #Ocupar e resistir: estudantes catarinenses em defesa da escola pública. Argumentos Pró-Educação, Pouso Alegre, v.2, n.5, p. 235-258, maio./ago. 2017. Disponível em https://doi.org/10.24280/ape.v2i5.196.

RODRIGUES, Larissa Zancan; PEREIRA, Beatriz; MOHR, Adriana. O Documento “Proposta para Base Nacional Comum da Formação de Professores da Educação Básica” (BNCFP): Dez Razões para Temer e Contestar a BNCFP. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 20, p.01-39, jan./dez. 2020.

SACRISTÃN, José Gimeno. O significado e a função da educação na sociedade e na cultura globalizada. In: MOREIRA, Antonio Flávio Barbosa; GARCIA, Regina Leite. (Orgs). CURRÍCULO NA CONTEMPORANEIDADE: incertezas e desafios. São Paulo: Cortez, 2003.

SILVA, Kátia Augusta Curado Pinheiro da; CRUZ, Shirleide Pereira. A Residência Pedagógica na formação de professores: história, hegemonia e resistências. Momento: diálogos em educação, v. 27, n. 2, p. 227-247, mai./ago, 2018.

VAILLANT, Denise. Políticas de inserción a la docencia en America Latina: la deuda pendiente. Profesorado - Revista de Curriculum y Formación del Profesorado, Sevilha/ES, v. 13, n. 1, p. 27-41, 2009.
Publicado
22-12-2020
Como Citar
DE FARIAS, I. M. S. Residência Pedagógica: entre convergências e disputas o campo da Formação de Professores. Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, v. 12, n. 25, p. 95-108, 22 dez. 2020.