A formação inicial de professoras marcada pela interseccionalidade e o impacto na saúde física e mental das docentes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31639/rbpfp.v14i31.656
Abstract views: 426 / PDF downloads: 366

Resumo

A profissão docente tem sido alvo de estudos nas últimas décadas acerca das condições de trabalho e da precarização da formação docente inicial e continuada, a qual tem ocorrido sobremaneira a distância, mesmo antes da pandemia de Covid 19. Essa questão tem sido evidenciada nos discursos de jovens professoras ao ingressarem na carreira docente, bem como comprovados pelos altos índices de absenteísmo, adoecimento e afastamento docente, dados que se elevam quando essas professoras entram em contato com o trabalho pedagógico e as adversidades dele advindas. A precarização do trabalho docente está ligada à feminização, e às hierarquias de status e valorização da profissão, as quais reproduzem as desigualdades sociais, sendo as mulheres negras as mais afetadas. Visamos elucidar problemáticas relacionadas aos temas de gênero, raça e classe na formação docente, evidenciando o quanto essas temáticas são cruciais para a compreensão da identidade e do perfil docente brasileiro, bem como, quanto à possível relação de agravamento das condições de trabalho, afetando sua saúde física e mental.

Downloads

Não há dados estatísticos.
 PlumX Metrics

Referências

APPLE, Michael W. Trabalho docente e textos: economia política das relações de classe e de gênero em educação. Porto Alegre, Artes Médicas, 1995

ARAÚJO, Helena Costa. As mulheres professoras e o ensino estatal. Educação & Realidade, vol. 16, nº 2, 1990

ARAÚJO, F.J.O et al. Impact of Sars-Cov-2 and its Reverberation in Global Higher Education and Mental Health. Psychiatry Research, v. 288, p. 112977, 2020. Disponível em: <https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0165178120307009>. Acesso em 16 de agosto de 2020.

BENTO, Maria Aparecida Silva. Branqueamento e branquitude no Brasil. In: CARONE, Iray; BENTO, Maria Aparecida Silva (Orgs.). Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014a, p. 25-57.

BENTO, Maria Aparecida da Silva. Notas sobre a expressão da branquitude nas instituições. In: BENTO, Maria Aparecida da Silva; SILVÉRIO, Marly de Jesus;

CARVALHO, Maria da Penha Felício dos Santos de. Gênero. In: BARRETO, Vicente de Paulo (Coord.). Dicionário de Filosofia Política. São Leopoldo (RS): Editora UNISINOS, 2010.

CARVALHO, Marília Pinto de. No coração da sala de aula: gênero e trabalho docente nas séries iniciais. São Paulo, Xamã, 1999

CASTRO, Mary G. e LAVINAS, Lena. Do feminino ao gênero: a construção de um objeto. In: COSTA, Albertina de Oliveira e BRUSCHINI, Cristina. (orgs.) Uma questão de gênero. São Paulo, Rosa dos Tempos/Fundação Carlos Chagas, 1992, pp.216-25.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, Jan. 2002.

CROMPTON, R. Class theory and gender. The British Journal of sociology, Londres, v. 10, n. 4, p. 565-587, dez. 1989

DINIZ, Margareth. De que sofrem as mulheres-professoras. IN: LOPES, Eliane Marta T. A Psicanálise escuta a educação. Editora Autêntica. BH. 1997; 2007.

GAINO, Loraine Vivian et al . O conceito de saúde mental para profissionais de saúde: um estudo transversal e qualitativo*. SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. (Ed. port.), Ribeirão Preto , v. 14, n. 2, p. 108-116, 2018 . Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-69762018000200007&lng=pt&nrm=iso>.

GAINSSA BALINHAS, Vera Lúcia; SANTOS VIEIRA, Jarbas; DUARTE MARTINS, Maria de Fátima; ALVES GARCIA, Maria Manuela; Eslabão, Leomar; Ferraz da Silva, Aline; FETTER, Carmem Lúcia; BUGS GONÇALVES, Vanessa. Imagens da Docência: Um Estudo sobre o Processo de Trabalho e Mal-estar Docente. Revista Mal-estar e Subjetividade, vol. XIII, núm. 1-2, mai.jun, 2013, pp. 249-270.

GÊNERO E NÚMERO; SEMPREVIVA ORGANIZAÇÃO FEMINISTA. Pesquisa SEM PARAR: o trabalho e a vida das mulheres na pandemia, 2020. Disponível em:http://mulheresnapandemia.sof.org.br/wpcontent/uploads/2020/08/Relatorio_Pesquisa_SemParar.pdf

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estatísticas de Gênero: responsabilidade por afazeres afeta inserção das mulheres no mercado de trabalho, 2018a. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/

agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/20232-estatisticas-de-genero-responsabilidade-por-afazeres-afeta-insercao-das-mulheres-no-mercado-de-trabalho.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. No Dia da Mulher, estatísticas sobre trabalho mostram desigualdade, 2018b. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/20287-no-dia-da-mulher-estatisticas-sobre-trabalho-mostram-desigualdade.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Mercado de trabalho reflete desigualdades de gênero, 2019. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/25223-mercado-de-trabalho-reflete-desigualdades-de-genero

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estatísticas de Gênero: ocupação das mulheres é menor em lares com crianças de até três anos, 2021. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/30172-estatisticas-de-genero-ocupacao-das-mulheres-e-menor-em-lares-com-criancas-de-ate-tres-anos

FERRARO, Alceu Ravanello. Escolarização no Brasil: articulando as perspectivas de gênero, raça e classe social. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 36, n.2, p. 505-526, maio/ago. 2010.

IZQUIERDO, María Jesús. Uso y abuso del concepto de género. In: VILANOVA, Mercedes. (comp.) Pensar las diferencias. Barcelona, Universitat de Barcelona, 1994, pp.31-53.

LEWIN, Helena. Educação e força de trabalho feminina no Brasil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, Fundação Carlos Chagas, nº 32, fevereiro de 1980, pp.45-59

LOURO, Guacira Lopes. Magistério de 1º grau: um trabalho de mulher. Educação & Realidade, Porto Alegre, vol. 14, nº 2, jul./dez. 1989, pp.31-9

MACHADO, Lia. Estudos de gênero: para além do jogo entre intelectuais e feministas. In: SCHPUN, Mônica (Org.). Gênero sem fronteiras. Florianópolis: Ed. Mulheres, 1997.

MARX, K. As lutas de classes em França. Moscovo/Lisboa: Progresso/Avante, 1982.

______. O capital. Livro 3, v. 6. Trad. Reginaldo Sant’Anna. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, s/d.

NUNES, Adelina Malvina Barbosa. A branquitude e o ensino superior: reflexos e desafios na docência. 2020. 193f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2020.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Diminuindo Diferenças: a prática das políticas sobre determinantes sociais da saúde. Conferência Mundial sobre Determinantes Sociais da Saúde, Rio de Janeiro, 19-21 de outubro de 2011.

PESSOA, Amanda; MOURA, Marla; FARIAS, Isabel. A Composição do Tempo Social de Mulheres Professoras Durante a Pandemia, 2021. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar em estudos do lazer, 24(1), 161–194. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/licere/article/view/29532.

PRIORE, Mary del. (org.) História das mulheres no Brasil. São Paulo, Contexto/Ed. UNESP, 1997, pp.443- 481.

QUEIROZ, Christina. Economia do Cuidado. Revista Fapesp, Edição 299,

jan. 2021. Disponível em: https://revistapesquisa.fapesp.br/wp-content/uploads/2021/01/032-037_economia-do-cuidado_299.pdf.

SANTOS, Adilson Pereira dos. Políticas de ações afirmativas novos ingredientes na luta pela democratização do ensino superior: a experiência da Universidade Federal de Ouro Preto. 2011. 258f. Dissertação (Mestrado em Educação, Cultura e Comunicação) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

SILVA, Petronílha Beatriz. Aprendizagem e Ensino das Africanidades Brasileiras. IN: MUNANGA, Kabengele (org.). Superando o racismo na escola. 2 ed. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

SILVA Petronilha, Beatriz Gonçalves. Educação das relações étnico-raciais nas instituições escolares. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, v. 34, n. 69, p. 123-150, maio/jun. 2018

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, vol. 16, nº 2, jul./dez. 1990, pp.5-22; e Igualdad versus diferencia: los usos de la teoria postestructuralista. Debate Feminista, Mexico-D.F., vol. 5, março de 1992, pp.85-104;

SHAW, K. Colleges expand VPN capacity, conferencing to answer COVID-19. Network World (online), Apr 2, 2020. Disponível em: https://www.networkworld.com/article/3535415/colleges-expand-vpn-capacity-conferencing-to-answer-covid-19.html Acesso em 16 de agosto de 2020.

SCHUCMAN, Lia Vainer. Entre o “encardido” o “branco” e o “braquissimo”: raça hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana. 2012. 122f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2012.

VIANNA, Cláudia Pereira Sexo e gênero: masculino e feminino na qualidade da educação escolar. In: AQUINO, Julio Groppa. Sexualidade na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo, Summus, 1997, pp.119-130

VIANNA, Cláudia Pereira. Os nós do nós: crise e perspectivas da ação coletiva docente em São Paulo. São Paulo, Xamã, 1999

YANNOULAS, Silvia Cristina (Org.). Trabalhadoras: análise da feminização das profissões e ocupações. Brasília: Abaré, 2013. 302p.

Downloads

Publicado

2022-12-15

Como Citar

DINIZ, M.; DE PROENÇA LOPES, L. . A formação inicial de professoras marcada pela interseccionalidade e o impacto na saúde física e mental das docentes. Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, [S. l.], v. 14, n. 31, p. 45–60, 2022. DOI: 10.31639/rbpfp.v14i31.656. Disponível em: https://revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/656. Acesso em: 27 maio. 2024.