Construindo, aprendendo e consolidando um grupo de estudos e pesquisas: trajetória e desdobramentos

Autores

  • Magali Aparecida Silvestre Universidade Federal de São Paulo
  • Jorge Luiz Barcellos Silva Universidade Federal de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.31639/rbpfp.v10i18.188
Abstract views: 711 / PDF downloads: 691

Palavras-chave:

Escola Pública, Formação de Professores

Resumo

Este texto apresenta a trajetória do Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Escola Pública, Infâncias e Formação de Educadores – GEPEPINFOR, coordenado por docentes do Departamento de Educação da UNIFESP. Este grupo dimensiona a escola pública, nas suas especificidades: educação básica com ênfase nas escolas da infância (educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental); sobre a formação inicial e contínua de educadores e seu desenvolvimento profissional, numa perspectiva reflexiva e emancipatória, e se propõe a aprofundar estudos sobre cultura, educação e saberes docentes. O GEPEPINFOR iniciou suas atividades em agosto de 2010 e se insere no contexto de articulação do campus Guarulhos da UNIFESP, resultado do Plano de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais – REUNI. Possui como metas principais alinhar a produção científica a projetos de extensão desenvolvidos com as escolas públicas de Guarulhos, município no qual a Unifesp desenvolve seu Programa de Residência Pedagógica, e difundir suas produções acadêmicas em congressos nacionais e internacionais, periódicos e livros.

Downloads

Não há dados estatísticos.
 PlumX Metrics

Referências

ALGEBAILE, E. Escola Pública e Pobreza no Brasil: a ampliação para menos. Rio de Janeiro: Lamparina, Faperj, 2009.
ANDRÉ, M. Formação de Professores: a constituição de um campo de estudos. Educação, Porto Alegre, v. 33, n. 3, p. 174-181, set./dez. 2010.
ANDRÉ, M. A Formação de Professores nas Pesquisas dos anos 1990. In: MACIEL, L. S. B.; SHIGUNOV NETO, Alexandre (Orgs.). Formação de Professores: passado, presente e futuro. São Paulo: Cortez, 2004.
AZANHA, J. M. P. Autonomia da escola (s/d). Disponível em: http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_16_p037-046_c.pdf. Acesso em dez/2010.
BAUER, C. A importância do método de análise nas pesquisas educacionais. Pulsar Revista de Educação, nº 1, out-dez, 2005, p. 41-47.
CHAUÍ, M. S. Cultura Política e Política Cultural. Estud. av. vol.9 no.23. São Paulo Jan./Apr. 1995. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-40141995000100006&script=sci_arttext. Acesso em dez/2010.
CONTRERAS DOMINGO, J.. A autonomia de Professores. São Paulo: Cortez, 2002.
DINIZ-PEREIRA, J. E.; ZEICHNER, K. M. (orgs.) A pesquisa na formação e no trabalho docente. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2002.
DINIZ-PEREIRA, J. E. A construção do campo da pesquisa sobre formação de professores. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 22, n. 40, p. 127-136, jul./dez. 2013.
FREIRE, P.. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 5. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1998.
GAMBOA, S. S. Pesquisa em Educação: métodos e epistemologias. 2ª. Ed. Chapecó: Argos, 2012.
GATTI, B. A. Formação de Professores no Brasil: características e problemas. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out.-dez. 2010.
GATTI, B. A. A Construção da Pesquisa em Educação no Brasil. Brasília: Plano Editora, 2002.
IMBERNÓN, F. Formação Docente e Profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 4. Ed. São Paulo, Cortez, 2004.
LIBÂNEO, J. C. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-28, 2012.
LÜDKE, M.; BOING, L. A. Caminhos da profissão e da profissionalidade docentes. Educação & Sociedade, v. 25, n. 89, p. 1159-1180, set./dez., 2004.
MARCELO GARCIA, C.. Formação de Professores para uma Mudança Educativa. Porto, Portugal: Porto Editora, 1999.
NÓVOA, A.. Nada substitui um bom professor: propostas para uma revolução no campo da formação de professores. In. GATTI, B. A. et al (org.) Por uma política nacional de formação de professores. São Paulo: Editora Unesp, 2013.
______________. Os professores na virada do milênio: do excesso dos discursos à pobreza das práticas. Educação & Pesquisa. São Paulo, v.25, n.1, p.11-20, jan/jul,1999.
______________. Vidas de Professores. Porto: Porto Editora, 1995.
______________. Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote: Instituto de Inovação Educacional, 1992.
PIMENTA, S. G. Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências na formação e na atuação docente. In: PIMENTA, Selma G.; GHEDIN, Evandro; FRANCO, Maria Amélia S. (orgs.) Pesquisa em Educação: alternativas investigativas com objetos complexos. São Paulo: Loyola, 2006, pg. 25-64.
PINTO, U. de A. Os desafios da escola pública contemporânea. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade. v. 17, p. 89-104, 2008.
ROLDÃO, M. do C. Função docente: natureza e construção do conhecimento profissional. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, v. 12, n. 34, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782007000100008&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: setembro de 2008.
SACRISTÁN, J. G. Consciência e acção sobre a prática como libertação profissional dos professores. In: NÒVOA, A. (Org.) Profissão professor. Porto, Portugal: Porto Editora, 1999.
SAVIANI. D. Pedagogia Histórico-Crítica e Luta de Classes na Educação Escolar. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.
SILVA, C.A. Construção de um espaço público de formação IN: SILVA, C.A et al. Por uma revolução no campo da formação de professores. UNESP. 2016, p.133 – 148.
SILVESTRE. M. A.; CARVALHO, J. P. F. ; PINTO, U. A. ; SILVA, J. L. B.. Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência: apontamentos sobre editais e formação de professores da Educação Básica. In: Isabel Maria Sabino de Farias; José Rubens Lima Jardilino; Magali Aparecida Silvestre. (Org.). Aprender a Ser Professor: aportes de pesquisa sobre o PIBID. 1ed.Jundiaí - SP: Paco Editorial, 2015, v. 1, p. 15-29.
SILVESTRE, M.A.. Práticas de Estágios no Programa de Residência Pedagógica da Unifesp/Guarulhos. In: ANDRÉ, M. (org.) Práticas Inovadoras na Formação de Professores. Campinas, SP: Papirus, 2016.
TARDIF, M.. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.
TORRES, R. M. Educação para todos: a tarefa por fazer. Porto Alegre: ArtMed, 2001.
VÁSQUEZ, A. S. Filosofia da Práxis. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1968.
VAILLANT, D.; MARCELO, C. Ensinando a ensinar: as quatro etapas de uma aprendizagem. Curitiba: UTFPR, 2012.
VÓVIO, C. L. (coord.) Manual do Programa de Residência Pedagógica: Unifesp. São Paulo: Porto de Ideias, 2014.
ZEICHNER, K. M.; SAUL, A.; DINIZ-PEREIRA, J. E. Pesquisar e Transformar a Prática Educativa: mudando as perguntas da formação de professores; uma entrevista com Kenneth Zeichner. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03 p. 2211 - 2224 out./dez. 2014.
ZEICHNER, Kenneth. Formação de Professores: contato direto com a realidade da escola. Presença Pedagógica. Belo Horizonte, v.6,n.34, p.5-15, jul/ago.2000a.
_________, Para além da divisão entre professor-pesquisador e pesquisador acadêmico. In: GERALDI, C. M. G.; FIORENTINI, D.; PEREIRA, E. M. de A. (orgs.) Cartografias do trabalho docente: professor(a)-pesquisador(a). Campinas: Mercado da Letras, 2000b.

Downloads

Publicado

2018-12-21

Como Citar

SILVESTRE, M. A.; SILVA, J. L. B. Construindo, aprendendo e consolidando um grupo de estudos e pesquisas: trajetória e desdobramentos. Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, [S. l.], v. 10, n. 18, p. 89–102, 2018. DOI: 10.31639/rbpfp.v10i18.188. Disponível em: https://revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/188. Acesso em: 27 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.